Ortografia e Gramática

Trivelas

Arquibancada
4 Agosto 2016
364
69
Bom tópico.
Não sei se vale a pena insistir muito no tema, tal é a dimensão da asneirada que grassa por aí, incluíndo na Comunicação Social oficial.

Já agora junta aí mais uma que vejo constantemente: "ir de encontro" em vez de "ir ao encontro".
 

blue_Dragon

Tribuna Presidencial
28 Junho 2017
5,268
3,546
Bom dia a todos,

Cá estou eu a chatear de novo.

Nos últimos tempos tem-se assistido a outro flagelo relativo à ortografia utilizada nos vários tópicos.

Trata-se tão somente da utilização correta do binómio "à" ou "há"

Vou tentar ser muito prático para não cair em retórica desnecessária e para que não esqueçam mais como se utilizam e diferenciam estas palavras.

"há" é a conjugação do verbo haver e deve ser empregue nessas condições.
Quando tiverem dúvidas sobre o que utilizar pensem "posso substituir o à/há por existe?" Se puderem substituir então devem utilizar o "há". Caso contrário devem utilizar o "à".

Por exemplo:

À noite eu fui sair com amigos --> se colocarem aqui o "existe" a frase perde o sentido. Logo o "à" está bem empregue

Há noites em que a lua brilha mais --> se colocarem aqui o "existe(m)" a frase mantém o sentido. Logo devem utilizar o "há".

O "à" utilizado para nos referirmos a locais, horários e outros.

Às 18h tenho um encontro.
Eu vou passear à tarde

Se tentarem substituir o "à" pela palavra existe/existem verão que as frases perdem o sentido.

Espero que compreendam e encarem estas linhas como uma forma de melhorar o fórum.

Abraço a todos(as)
Tenho dúvidas do que usar na seguinte frase e devo usar:
Há benfiquistas honestos!
Ou:
À Benfiquistas honestos!

Eu achava que era a primeira opção mas se tentar substituir o "Há" não me parece que a frase seja muito credível e acho que vou passar a usar a 2ª frase!
 

Antoine Doinel

Arquibancada
19 Maio 2020
214
746
Bom tópico.
Não sei se vale a pena insistir muito no tema, tal é a dimensão da asneirada que grassa por aí, incluíndo na Comunicação Social oficial.

Já agora junta aí mais uma que vejo constantemente: "ir de encontro" em vez de "ir ao encontro".
"Ir de encontro" também é uma expressão válida no contexto acertado.

E.g.: O Pizzi foi de encontro ao Rafa dentro de área, e por isso o Luís Godinho assinalou penálti para o Benfica (e expulsou o Danilo).

Contudo, muitas vezes é indevidamente utilizada, o que vai ao encontro do que estás a dizer.
 

Dexter2020

Tribuna Presidencial
21 Junho 2019
9,082
14,407
Conquistas
4
Espero que este maravilhoso tópico já tenha contribuído para a malta perceber a diferença entre o "à" e o "há".... ;-)
 
  • Love
Reações: paul93
R

rubickus

Guest
Saúdo terem criado este tópico, acho que avia necessidade de melhorar a gramática do pessoal por aqui.
Incrível a quantidade de erros básicos por tópico, á que corrigir isso, parece mal nos locais de trabalho dar essas calinadas.
 

Conceição Santos

Tribuna Presidencial
9 Março 2012
5,535
3,540
Conquistas
5
  • André Villas-Boas
  • Deco
  • Campeão Nacional 19/20
  • Outubro/20
Tenho dúvidas do que usar na seguinte frase e devo usar:
Há benfiquistas honestos!
Ou:
À Benfiquistas honestos!

Eu achava que era a primeira opção mas se tentar substituir o "Há" não me parece que a frase seja muito credível e acho que vou passar a usar a 2ª frase!
Amigo, a 1ª frase é que é a correta, ou seja, HÁ benfiquistas honestos. Quando puderes substituir o verbo "haver" pelo verbo "existir" é sempre com H.

Há=Existem.
 

Devenish

Tribuna Presidencial
11 Outubro 2006
17,604
3,843
Conquistas
1
Porto
  • Março/19
Bom tópico este que desconhecia. Espero é que não se entre na discussão entre a antiga e a nova ortografia. A nova ortografia já tem quase 16 anos, ou mais, e há uma geração que aprendeu com ela. E falando da antiga ortografia ainda há mais antigas, exemplo a anterior - quem nunca passou em locais onde ainda se veem placas com Matozinhos em vez de Matosinhos. Ou Pharmácia em vez de Farmácia. E muitos mais casos. Um caso curioso é Bemfica em vez de Benfica (tenho um emblema desses de lapela e pensava que era erro de impressão e não era) ou Bomfim em vez de Bonfim. E tantos outros.
 
  • Like
Reações: jorgebest

paul93

Tribuna
11 Outubro 2017
4,659
7,732
Conquistas
32
  • Bobby Robson
  • José Mourinho
  • Artur Jorge
  • Pinto da Costa
Tenho dúvidas do que usar na seguinte frase e devo usar:
Há benfiquistas honestos!
Ou:
À Benfiquistas honestos!

Eu achava que era a primeira opção mas se tentar substituir o "Há" não me parece que a frase seja muito credível e acho que vou passar a usar a 2ª frase!
A forma correcta é:
"há benfiquistas honestos! Mas não fazem parte da respectiva direcção, alegadamente".

Assim se fala em bom português.
Atenção: o alegadamente é importante quando fazemos afirmações destas.
 
Última edição:
  • Like
Reações: Devenish

Kandinsky

Tribuna Presidencial
11 Abril 2016
5,312
5,102
Conquistas
4
  • Taça de Portugal 19/20
  • Deco
  • Campeão Nacional 19/20
  • Jorge Costa
Bom tópico este que desconhecia. Espero é que não se entre na discussão entre a antiga e a nova ortografia. A nova ortografia já tem quase 16 anos, ou mais, e há uma geração que aprendeu com ela. E falando da antiga ortografia ainda há mais antigas, exemplo a anterior - quem nunca passou em locais onde ainda se veem placas com Matozinhos em vez de Matosinhos. Ou Pharmácia em vez de Farmácia. E muitos mais casos. Um caso curioso é Bemfica em vez de Benfica (tenho um emblema desses de lapela e pensava que era erro de impressão e não era) ou Bomfim em vez de Bonfim. E tantos outros.
Se não queres que se entre nessa discussão, deste um bom mote para a mesma começar... :)

Eu sou contra o novo AO, pessoalmente acho muito diferente a evolução da língua de Pharmácia para Farmácia (evolução natural e estabilizada pelo costume) e uma evolução imposta à população.
Além disso, acho que se eliminam características que tornam a nossa língua mais rica, que ajudam a explicar a sua etimologia, e que preservam a sua identidade.

A nova ortografia "apenas" entrou em vigor há 11 anos, há mais do que tempo para corrigir esse erro...
 
Última edição: