Autor Tópico: Música  (Lida 122522 vezes)

Offline simao977

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.855
  • Desde: Jul 2015
Re: Música
18/Jun/19, 10:57 • #90089


Tenho curtido desta banda, que vai ao Paredes.

Offline jardel

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 12.786
  • Desde: Out 2012
  • Membro do Mês Outubro/2018
Re: Música
18/Jun/19, 12:32 • #98035
Pearl Jam morreram após o No Code. E mesmo aí, já andavam de bengala...

Dizer isso é disparate e mostra um profundo desconhecimento da banda. E estou a ser simpático.

Offline jardel

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 12.786
  • Desde: Out 2012
  • Membro do Mês Outubro/2018
Re: Música
18/Jun/19, 12:37 • #81027
Os 3 primeiros álbuns foram de um nível soberbo, sim, o No Code foi quando falharam um degrau na sua ascenção e tombaram uns quantos para trás.

Desde aí foi preguiça atrás de preguiça para tentarem chegar ao nível do último de excelência, o Vitalogy.
Já agora, do No Code destaco a Off he goes e a Red Mosquito.

Eu comecei a ouvir PJ contra a corrente gigantesca de Nirvana na altura, sempre curti ser do contra contra aquela autêntica avalanche de Kurt.
Curto umas quantas malhas de Nirvana, claro, mas dentro do grunge sempre preferi PJ, Alice in Chains, Stone Temple Pilots e Soundgarden.

Engraçado que a minha preferida de Nirvana nem sequer é deles...

Não vás atrás do disparate do Barrigana.

No Code é um albúm fabuloso mas muito diferente dos anteriores. Acho isso óptimo. Uma mudança sonora e lírica.
É o mesmo que dizer que os Radiohead acabam no Ok Computer e o Kid A já não é fixe.
Deixem-se de tretas.
No Code é excelente. Yield é muito bom. Binaural é igualmente muito bom. O Riot Act é outro que sai dos cânones mais convencionais mas tem bastante qualidade. O do abacate de 2006 é o último disco de qualidade insofismável.

Os 2 últimos são genéricos quando comparado com tudo o resto que fizeram anteriormente.


Offline jardel

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 12.786
  • Desde: Out 2012
  • Membro do Mês Outubro/2018
Re: Música
18/Jun/19, 12:40 • #29055
Nah. O Binaural e o Riot Act sao bons albuns.
E continuam a ser provavelmente a melhor banda do mundo ao vivo.

Já foram melhores mas o facto de terem um repertório extenso, de qualidade e trocarem sempre imensas músicas de um concerto para o seguinte faz deles uma banda especial. Mas ao vivo também já estão em modo preguiça.

Offline Barrigana

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 14.653
  • Desde: Nov 2014
  • Membro do Mês Fevereiro/2018Membro do Mês Dezembro/2017Membro do Mês Setembro/2017
Re: Música
18/Jun/19, 12:41 • #78088
Dizer isso é disparate e mostra um profundo desconhecimento da banda. E estou a ser simpático.

Tens de aprender a aceitar a opinião dos outros... assim, não.

Offline jardel

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 12.786
  • Desde: Out 2012
  • Membro do Mês Outubro/2018
Re: Música
18/Jun/19, 12:45 • #34013
Tens de aprender a aceitar a opinião dos outros... assim, não.

Eu aceitei. Não te censurei. Só disse que é um disparate o que escreveste. O desconhecimento provoca isso.

Online Y_Chippo

  • Bancada central
  • ***
  • Mensagens: 2.369
  • Desde: Set 2012
Re: Música
18/Jun/19, 12:53 • #53084
Já foram melhores mas o facto de terem um repertório extenso, de qualidade e trocarem sempre imensas músicas de um concerto para o seguinte faz deles uma banda especial. Mas ao vivo também já estão em modo preguiça.

Por assim dizer. Ainda sao capazes de grandes momentos, mas em versao abreviada. Vi-os no Alive no Verao passado. Foi um bom concerto - la esta, com grandes momentos - mas curtinho para os standards PJ, como e apanagio de festivais.

Nao teve nada a ver com o concerto duplo que deram ha uns 10-15 anos atras no Atlantico em 2 dias seguidos. Ambos fabulosos e ambos a bater nas 3 horas cada, se bem me recordo.

Agora - ate voltar a ve-los em nome proprio em vez de versao festivaleira, nao me atrevo a dizer que ja nao sao capazes de dar um concerto epico.

Offline EmilioSantero

  • Arquibancada
  • *
  • Mensagens: 202
  • Desde: Mar 2019
Re: Música
18/Jun/19, 12:53 • #31029
Os 3 primeiros álbuns foram de um nível soberbo, sim, o No Code foi quando falharam um degrau na sua ascenção e tombaram uns quantos para trás.

Desde aí foi preguiça atrás de preguiça para tentarem chegar ao nível do último de excelência, o Vitalogy.
Já agora, do No Code destaco a Off he goes e a Red Mosquito.

Eu comecei a ouvir PJ contra a corrente gigantesca de Nirvana na altura, sempre curti ser do contra contra aquela autêntica avalanche de Kurt.
Curto umas quantas malhas de Nirvana, claro, mas dentro do grunge sempre preferi PJ, Alice in Chains, Stone Temple Pilots e Soundgarden.

Engraçado que a minha preferida de Nirvana nem sequer é deles...

Aposto que é a D7 dos The Wipers. E é melhor ainda que a versão dos Nirvana

Offline jardel

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 12.786
  • Desde: Out 2012
  • Membro do Mês Outubro/2018
Re: Música
18/Jun/19, 12:57 • #10098
Por assim dizer. Ainda sao capazes de grandes momentos, mas em versao abreviada. Vi-os no Alive no Verao passado. Foi um bom concerto - la esta, com grandes momentos - mas curtinho para os standards PJ, como e apanagio de festivais.

Nao teve nada a ver com o concerto duplo que deram ha uns 10-15 anos atras no Atlantico em 2 dias seguidos. Ambos fabulosos e ambos a bater nas 3 horas cada, se bem me recordo.

Agora - ate voltar a ve-los em nome proprio em vez de versao festivaleira, nao me atrevo a dizer que ja nao sao capazes de dar um concerto epico.

Em PT já não os verás em nome próprio. Quando vierem será sempre em modo festival. Uma pena. O facto de fazerem tantos festivais é um dos indicadores da preguiça. Estão acomodados, principalmente o Vedder que parece preferir tocar sozinho.

Offline deco macau

  • Bancada central
  • ***
  • Mensagens: 2.101
  • Desde: Out 2014
Re: Música
18/Jun/19, 13:32 • #72096
Por assim dizer. Ainda sao capazes de grandes momentos, mas em versao abreviada. Vi-os no Alive no Verao passado. Foi um bom concerto - la esta, com grandes momentos - mas curtinho para os standards PJ, como e apanagio de festivais.

Nao teve nada a ver com o concerto duplo que deram ha uns 10-15 anos atras no Atlantico em 2 dias seguidos. Ambos fabulosos e ambos a bater nas 3 horas cada, se bem me recordo.

Agora - ate voltar a ve-los em nome proprio em vez de versao festivaleira, nao me atrevo a dizer que ja nao sao capazes de dar um concerto epico.
Esse duplo concerto foi fantastico. Ja o do ano passado no alive foi onde percebi que ja nao tenho paciência para festivais

Sent from my ANE-LX2 using Tapatalk


Online Ripas

  • Tribuna
  • ****
  • Mensagens: 3.597
  • Desde: Mar 2019
Re: Música
18/Jun/19, 15:23 • #74082
Nah. O Binaural e o Riot Act sao bons albuns.
E continuam a ser provavelmente a melhor banda do mundo ao vivo.

São mesmo muito bons ao vivo, embora a última vez que os ouvi já tenha sido há bem mais de uma década.

Online Ripas

  • Tribuna
  • ****
  • Mensagens: 3.597
  • Desde: Mar 2019
Re: Música
18/Jun/19, 15:26 • #12011
Aposto que é a D7 dos The Wipers. E é melhor ainda que a versão dos Nirvana

É uma do Bowie.

Online Ripas

  • Tribuna
  • ****
  • Mensagens: 3.597
  • Desde: Mar 2019
Re: Música
18/Jun/19, 15:37 • #16077
Não vás atrás do disparate do Barrigana.

No Code é um albúm fabuloso mas muito diferente dos anteriores. Acho isso óptimo. Uma mudança sonora e lírica.
É o mesmo que dizer que os Radiohead acabam no Ok Computer e o Kid A já não é fixe.
Deixem-se de tretas.
No Code é excelente. Yield é muito bom. Binaural é igualmente muito bom. O Riot Act é outro que sai dos cânones mais convencionais mas tem bastante qualidade. O do abacate de 2006 é o último disco de qualidade insofismável.

Os 2 últimos são genéricos quando comparado com tudo o resto que fizeram anteriormente.

Para mim os 3 primeiros estão no Olimpo, mas claro que gosto de bastantes malhas dos álbuns posteriores, ainda assim não acho que algum deles se aproxime do nível dos que eu falei.
Um álbum "banal" dos PJ tem sempre qualidade, porque estamos a falar de uma banda especial, mas eles deixaram a barra muito alta com aqueles 3 de enfiada.
Claro que respeito opiniões que divirjam da minha, não estamos a debater ciência exacta.

Por exemplo, raramente encontro alguém que tenha como álbum preferido o Vitalogy, é quase sempre o Ten.

PJ foi "A" banda da minha juventude, na fase adulta já nem tanto, mas é uma das minhas bandas da minha vida.
Eu vivi o grunge no seu pináculo, bandas, cabelo, roupa, atitude e ainda hoje me lembro da histeria na minha escola quando se soube da morte do Kurt.
Nesse mesmo ano foram dois ídolos à vida de imensa gente, ele e o Senna.
« Última modificação: 18/Jun/19, 15:38 por Ripas »

Online Ripas

  • Tribuna
  • ****
  • Mensagens: 3.597
  • Desde: Mar 2019
Re: Música
18/Jun/19, 15:45 • #43082
Engracado que o grunge nao e propriamente um estilo musical.
Foi uma forma de meter no mesmo saco varias bandas de rock soberbas da mesma geracao e que vinham da mesma zona.
Mais uma questao de atitude, talvez.

PJ, Nirvana, Alice e Soundgarden pouco tem a ver em termos musicais (dentro do rock, entenda-se). Isto para nao falar de Mudhoney, Melvins e outros pioneiros do genero.

Grunge foi muito atitude, sim, agregou várias bandas da mesma zona, mesmo que fossem algo ou bastante diferentes entre si musicalmente, mas tinham a atitude em comum e o travo cru e sujo no seu som.

Online Treinador de Bancada

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 10.632
  • Desde: Mar 2012
Re: Música
18/Jun/19, 15:46 • #76084
Já que se fala em Pearl Jam reparem nestes 4 irmãos da geração Y e Z a bombar forte e feio.



Quanto ao grunge como um todo, foi a último sopro de vida do rock, a última vez que ele foi rei e senhor no panorama musical. Anos depois o nu metal rebentou, mas não envelheceu tão bem. Hoje para a geração Z , a rebeldia e a teenage angst vem do hip hop. O rock/ metal mainstream tornou-se ou um receptáculo de inúmeras tornés de bandas consagradas como os Pearl Jam, Foo fighters, Metallica, Slipknot, U2, ou um fenómeno nicho marcado pela cultura hipster (Arcade Fire, National, Interpol, Tame Impala etc)

Do grunge nada bate as harmonias de vozes entre Cantrell e Staley,e os riffs metálicos de Cantrell o revivalismo do rock mais sujo  dos Pearl Jam, a voz multifacetada do Chris Cornell (no can can sing like you anymore) e o melhor compositor de uma geração Kurt Cobain, capaz de fazer à la Lennon magia com 3 acordes. Os STP por serem de San Francisco foram um pouco (de forma injusta) desvalorizados e catalogados como uns  Pearl Jam Wannabe.

Nota especial para os Screaming Trees de Mark Lanegan, para mim de todos a personalidade do grunge que "envelheceu melhor"