Autor Tópico: Deco  (Lida 25329 vezes)

Offline dragao86

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 15.852
  • Desde: Out 2014
Re: Deco
13/Dez/18, 20:03 • #84027
Caro Luís Mateus, a minha pergunta...

Offline ixnay

  • Tribuna
  • ****
  • Mensagens: 2.771
  • Desde: Jul 2006
Re: Deco
01/Jan/19, 12:40 • #56014
Hoje entrevista com o nosso mágico no Porto Canal! Alguém sabe a que horas?

Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.630
  • Desde: Abr 2018
Re: Deco
01/Jan/19, 12:46 • #35075
Hoje entrevista com o nosso mágico no Porto Canal! Alguém sabe a que horas?


22:30
« Última modificação: 01/Jan/19, 15:41 por André Farinha »


Offline jardel

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 12.462
  • Desde: Out 2012
  • Membro do Mês Outubro/2018
Re: Deco
02/Jan/19, 19:16 • #48072
Boa entrevista.

Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.630
  • Desde: Abr 2018
Re: Deco
06/Jan/19, 17:02 • #34010
Entrevista a Deco - Porto Canal





« Última modificação: 06/Jan/19, 17:03 por André Farinha »

Offline ASCD

  • Tribuna
  • ****
  • Mensagens: 4.210
  • Desde: Ago 2016
Re: Deco
23/Mar/19, 15:46 • #72042
Anderson Luís de Souza, o mágico Deco, que “chutava com os dois pés, melhor do que Pelé”, como cantavam os adeptos durante os mais de cinco anos em que envergou a camisola azul e branca, está de volta a Portugal. É agente de jogadores, tem um clube no Brasil e colabora com o “maior vendedor do mundo”, Jorge Mendes. Chegou em 1997 para jogar no Benfica, foi parar ao Alverca a ganhar metade do prometido por Vale e Azevedo. Ainda passou pelo Salgueiros antes de chegar às Antas, há precisamente 20 anos, a tempo de se sagrar pentacampeão nacional. Aos 41 anos, conta como quase tudo aconteceu
ISABEL PAULO 23.03.2019 ÀS 11H00

https://tribunaexpresso.pt/entrevistas-tribuna/2019-03-23-E-o-Eusebio--Essa-discussao-da-naturalizacao-sempre-me-pareceu-estupida.-Escolhi-Portugal-para-jogar-com-os-meus-amigos
 
Vive entre Portugal e Brasil. Onde passa mais tempo?
Há quase três anos decidi inverter a minha logística familiar. Deixei de jogar no Fluminense, ainda fiquei a viver uns meses no Rio de Janeiro e voltei para São Paulo, onde tenho residência em Indaiatuba. Por questões pessoais decidimos voltar a Portugal. Os meus dois filhos mais velhos vivem com a mãe, no Porto, e achei com a minha ex-mulher que era uma altura importante fixar-nos aqui. O João tem 18 anos e vai começar a universidade.

Tem seis filhos. Algum seguiu-lhe as pisadas?
Não. O Pedro, que tem 16 anos, sempre jogou, mas há um ano disse que tem outros sonhos. Gosta do mundo dos negócios e tem ideias em conjunto com o meu irmão. Não me preocupo muito, nem nunca fiz pressão para que jogassem futebol. Jogou no Brasil em equipas pequenas e aqui seis meses no Paços de Ferreira.

Onde mora no Porto?
Na Foz, no Passeio Alegre, uma zona muito bonita . É dos lugares mais bonitos do Porto. Espetacular.

A D20 Sports é uma empresa ou um a fundação? Onde está sedeada?
Eu sempre gostei do nº20, apesar de ter jogado com o 10 no FC Porto. É um número com alguma força e acabei dando o nome D20 a algumas coisas. É uma marca. É uma empresa de agenciamento de jogadores, mas também tenho uma fundação com esse nome.

E o que faz a fundação?
No Brasil, em Indaiatuba iniciámos um projeto grande, que funciona como um instituto de apoio a 700 jovens, desde formação a educação. Agora não tenho mais esse projeto. Mantemos o espaço físico e ajudo outras instituições que fazem o mesmo trabalho social de ajuda a crianças carenciadas.

Começou por ser agente como colaborador da Gestifute?
O Jorge é um dos meus melhores amigos. Colaboramos sempre. Se é importante para os dois, não vamos deixar de trabalhar em conjunto, apesar de a D20 Sports fazer coisas que ele não faz. Eu criei o meu caminho, tenho uma linha.

A sua empresa representa quantos jogadores?
Diretamente, não sei o número exato. Não temos muitos, no máximo 30, até porque muitas coisas se confundem com o Mirassol FC, do interior de São Paulo, em que fazemos toda a gestão da formação.Há muitos jogadores que saem do clube que não somos nós que representamos.

Qual foi o seu primeiro negócio com Jorge Mendes?
O Fabinho. Era de um clube pequeno do Brasil, descubro-o e levo-o para o Fluminense. Em seis meses é convocado para os sub-20. Trago-o em conjunto com o Jorge para Portugal e a seguir vai para o Mónaco.

E Tiquinho Soares?
É uma transferência minha, um trabalho de scouting da empresa, de descobrimento de jogadores jovens com potencial. O Soares jogava num clube pequeno da Paraíba. Veio por empréstimo para o Nacional, depois é vendido ao Guimarães e a seguir ao FC Porto.

O Osório também é representado por si?
É, mas em conjunto com um empresário da Venezuela, que faz trabalho em escolas de formação. Na altura, junto com o Tondela, trouxemos o Osório. Foi uma aposta nossa. Como foi o Raphinha, que jogava no Avaí e trouxemos para o Guimarães.

Alguma vez pensou ser treinador?
Pensei, mas não existe planejamento para o final de carreira. Existem tomadas de decisões. E é difícil. Decido deixar de jogar ainda com um ano de contrato. Na verdade, volto para o Brasil quando ainda tinha um ano de ligação ao Chelsea, por razões familiares. E deixo o futebol devido a uma série de lesões. Aos 36 anos, o que ainda é bom no futebol é o jogo, já não o sacrifício do treino. Já fazia trabalho específico para conseguir jogar e tal. Era desgastante. No Brasil havia a exigência de jogos à quarta e ao domingo, e eu na verdade fazia bem um jogo por semana. Mas quando estava bem, queriam que jogasse sempre e acabava por ter lesões musculares. Quando parei de jogar havia duas coisas que sempre gostei: o treino e a gestão. Para ser treinador tinha de ter preparação e na minha vida pessoal não me via como treinador. E até agora não me vejo.

Porquê?
Para se ser treinador é preciso estar disposto a ter a mesma vida de jogador. Pesou o lado da gestão, o outro lado do futebol. O agenciamento de jogadores é um lado do muito que eu vivi, do processo que passei, é uma área em que acho posso fazer alguma diferença. A gestão de clubes também me agrada.

Em que divisão joga o Mirassol?
No Estadual está na I Divisão, no Brasileiro está na série D. A nossa aposta é mais no desenvolvimento de jogadores.


TONY MARSHALL - EMPICS
Ainda se lembra como era o cântico que os adeptos do FC Porto lhe fizeram?
Recordo partes. O 'mágico Deco, finta com os dois pés'...O FC Porto foi o clube mais importante da minha carreira. Não há como negar. E não foi por me lançar, que quem me lançou em Portugal foi o Salgueiros e antes ainda o Alverca, que me abriu as portas. Ganhei coisas importantes no Barcelona e no Chelsea, mas o FC Porto foi o clube onde me fiz jogador em todos os sentidos.

Qual foi a diferença fundamental em relação aos outros clubes?
Eu tive muita sorte com a geração que apanhei, uma geração que ganhou muita coisa...

Ia a caminho do inédito penta.
Cheguei em março, de 1999, estreei-me contra o Braga, nas Antas, e fomos penta campeões com grandes jogadores. O Paulinho Santos era grande jogador e amigo, o Aloísio, Rui Barros e Jorge Costa, eram referências, e ainda tinha o Secretário, Drulovic, Zahovic e Jardel. Era uma geração com uma grande história no Porto, talvez com mais história junto com a equipa de 1986/87, a primeira a ganhar todas as competições europeias. Aos 20 anos, foi uma enorme aprendizagem. Foi a geração que me deu base para o futuro.

Fernando Santos, o engenheiro do penta, era o treinador. Depois o FC Porto entrou em jejum de três épocas sem títulos...
Não foi de títulos. Não vencemos os campeonatos seguintes. Vencemos a Taça de Portugal e chegámos aos quartos-de-final da Liga dos Campeões. Claro que depois de vencer cinco campeonatos, não ganhar o título é algo fora do comum. Aconteceu, sobretudo, porque houve uma mudança geracional e os clubes grandes passam por isso ciclicamente. Ainda há pouco o FC Porto passou por isso e está acontecendo no Real Madrid. Na altura, as pessoas e os adeptos espantam-se mas é cíclico e vai continuar a acontecer depois de grandes momentos de glória. Para o FC Porto foram anos muito difíceis, mas isso fez-me crescer muito...

Essa adversidade para um jogador que está a começar funciona como travão ou força?
No meu caso, deu-me muita força. Chego, tenho um ano espetacular e logo a seguir veio a pressão de não ganhar, a pressão dos adeptos, que no FC Porto não é fácil. Foi a casa em que passei o bom e o mau, passei por lesões que não conseguia recuperar, mas no final a história foi bonita.

Em 2003 e 2004, ganhou dois títulos nacionais, a Taça UEFA e a Champions, tendo a sido titulado pela UEFA como o nº 10 perfeiro. Sentia-se perfeito no lugar?
Nunca pensei na posição, se era 10 ou 8. O meu crescimento tem muito a ver com a minha história enquanto jogador e os treinadores que tive. Com Fernando Santos, quando cheguei ao FC Porto, só tinha uma hipótese de jogar e era como 8. Jogávamos em 4x3x3 e a equipa tinha um 10, o Zahovic, o principal jogador. Para ter lugar, tinha de tentar jogar numa posição de menos protagonismo, de mais sacrifício, de equilíbrio, mais do que jogar com alguma liberdade. Eu tive de ser inteligente. Pensei: “Se quiser jogar, tem de ser assim”. Passado um ano, saiu o Zahovic e eu mudei a minha função. Com Mourinho começo a ter mais responsabilidade na criação do que no equilíbrio do jogo.

E quando vai para o Barcelona?
Voltou a ser um pouco como no Porto: tinha o Ronaldinho Gaúcho, que era o jogador com mais liberdade. E no Chelsea também joguei mais atrás e mais à frente. Na verdade, nunca liguei muito para isso.

Quem o convenceu a naturalizar-se português?
Cheguei a Portugal em 1997, daí que mais ano, menos ano, era uma questão natural.


DIMITAR DILKOFF
E a jogar pela seleção portuguesa?
Quem me fala de jogar pela seleção pela primeira vez é Gilberto Madaíl, então presidente da FPF. A primeira conversa foi em 2001.

Qual foi a sua reação?
É assim: em 2000, chega ao Porto uma convocatória para jogar pela seleção olímpica do Brasil. À última hora não sou convocado. Como no FC Porto já tinha algum protagonismo, confesso que foi um pouco murro no estômago, até porque achava que tinha qualidade para jogar pelo Brasil. Depois o Jorge Mendes, meu empresário a vida toda, fala-me no interesse de Portugal. Ainda demorei quase um ano até tomar a decisão.

Antes ou depois da chegada de Scolari?
Antes. Não foi Scolari que me convenceu. Isso foi uma confusão. Aliás, não me estreei mais cedo porque o processo para adquirir a nacionalidade se atrasou, mesmo que tenha adquirido a dupla nacionalidade devido interesse nacional. Quando Scolari chegou, já tinha a decisão tomada. Claro que falou comigo.

Foi um dilema? A partir do momento em que vestisse a camisola portuguesa jamais jogaria pelo seu país...
A decisão era difícil, era uma escolha para a vida, até porque sabia que tinha qualidade para jogar na seleção brasileira. Iria acontecer naturalmente, não tinha dúvida. Não foi uma questão de é mais fácil aqui do que lá, até porque Portugal tinha uma seleção tão boa como a do Brasil.

Então o que pesou?
Sempre gostei de Portugal, foi a minha ligação ao país. A geração do FC Porto que assume protagonismo na seleção é a minha. Ia jogar ao lado dos meus amigos. Dava-me algum conforto. Na seleção do Brasil não conhecia quase ninguém. Não consigo explicar. É uma questão pessoal. Sentia-me aqui tão bem, que vivo em Portugal.

Na altura havia ainda alguma resistência em relação aos jogadores naturalizados nas seleções...
Muitos dos jogadores do passado eram das ex-colónias. O Eusébio chegou a Portugal com a mesma idade do que eu. Se perguntar qual era a ligação dele com Portugal era futebolística. Depois é que se tornou pessoal. O mesmo aconteceu comigo. Essa discussão sempre me pareceu muito estúpida. A discussão não pode ser se nasceu ou não no país da seleção pela qual se joga. Eu naturalizei-me porque vivi em Portugal, tinha uma relação com o país, jogava num clube português, os meus filhos tinham nascido cá. Eu nunca jogaria por uma seleção onde não conhecesse ninguém. Não me sentiria bem. O mesmo aconteceu com o Pepe. Veio jovem, gosta do país, tanto que voltou para o Porto. Por opção própria, pois certamente teria ofertas maiores. Jogar numa seleção que não é a do país de nascimento, é uma questão de sentimento, não de passaporte.

E sente-se mais português ou brasileiro?
Tenho a sorte de ter os dois (risos). Uma das razões porque trago os meus filhos para viver cá é para terem outra visão do mundo, olhar as coisas de outra forma. É bom ter várias vivências do mundo e, podendo, não lhes posso negar isso. Acho que peguei o lado bom dos dois países, e tenho uma visão mais ampla das coisas.

Como reagiram as estrelas, como Figo ou Rui Costa, à sua chegada à seleção? Havia desconfiança?
Não sei se era desconfiança, mas um clima de rivalidade entre o Benfica e o FC Porto. Eu era um jogador-ídolo do Porto, o mesmo acontecia como o Rui Costa em relação ao Benfica. O Figo estava fora, mas eram amigos, fizeram parte da mesma geração. Hoje tenho uma ligação com o Luís muito maior do que na altura. A questão só tomou alguma dimensão no caso de Rui Costa porque, além da disputa natural Porto/Benfica, havia a disputa pelo lugar, por jogarmos na mesma posição. Acho que podíamos ter jogado mais vezes os dois juntos, decisão que cabia ao treinador. Não podemos esquecer que havia uma geração de 2000/2002, depois há a geração do Porto que marca 2004 e 2006, em que entra também o jovem Cristiano. A disputa de posições entre a geração consagrada e a dos jovens que estão a entrar é natural, como aconteceu com o Rui e comigo.

Falou consigo?
O Rui chamou-me para uma conversa, falámos, e disse-me que o que saia nos jornais não partia dele, que estava feliz. E somos amigos.

Chegou a Portugal para jogar no Benfica e acabou no Alverca a ganhar menos do que Vale e Azevedo lhe tinha prometido. Ter sido enganado influenciou a decisão de se tornar agente de jogadores?
De certa forma. Fui dos primeiros jogadores do Jorge Mendes, quando era quase um desconhecido. Jogava no Alverca. Vale e Azevedo não pagou o que devia ao meu antigo clube e queria voltar para o Brasil. Tinha deixado um clube grande, o Corinthians, prometeram-me uma série de coisas que não aconteceram. O Veloso, que era adjunto de Mário Wilson, no Alverca, disse para ter paciência e que me ia arranjar um empresário. Depois disse-me que Jorge Mendes tinha ligado a dizer que me queria conhecer e jantar comigo. O Jorge - que para mim é o maior vendedor do mundo - teve um discurso tão convincente que saí com uma esperança renovada, ao ponto de decidir ficar.

O que lhe disse?
Que tinha talento, não podia voltar, ia conseguir um clube maior. A partir daí fiquei tranquilo, a seguir para vou para o Salgueiros e pouco depois para o FC Porto. A ligação ao Jorge Mendes, essa sim me motivou a ser representante de jogadores e a fazer o que faço. Mas não me vejo a fazer o que ele faz. Eu não sou um vendedor. Ele é o maior empresário do mundo por ter uma capacidade diferente dos outros, tem conhecimento e argumentos que acho que outros não têm. Vejo-me mais a ajudar jogadores jovens a terem sucesso. Sei o desafio que é o futebol nessa idade.

Há 20 anos, dizia que no futebol havia muita gente desonesta, se calhar 80% não era séria. Ainda tem essa ideia?
Quando somos mais jovens falamos com mais emoção e estava a passar por uma fase má. O que disse foi em função do que estava vivendo. O que penso do mundo do futebol é que é igual aos outros sectores, mas que tem uma dimensão muito maior...

Por ser mais mediático?
Por mediatismo e pelos grandes negócios. Há mais interesse, mais emoção envolvida. Há gente boa e gente má, bons e mais empresários, bons e maus dirigentes. Querer separar o que se passa no futebol do resto da sociedade não é verdade. Não é um mundo à parte...

Um mundo onde nunca se movimentou tantos milhões. O futebol vive numa bolha que irá rebentar?
Não acredito que irá rebentar. É uma questão de crescimento do consumo. Só se pode falar em bolha quando existe um consumo virtual. O mundo cada vez mais consome futebol, logo é um consumo real. Os países que não tinham acesso ao futebol passaram a ter. Não é como aconteceu com a bolha imobiliária há uns anos e em que houve especulação. O valor dos direitos televisivos aumentam porque o interesse é maior, há mais países interessados no futebol. Não deve haver nenhum país – ou muito poucos – onde não se conheça o Cristiano ou o Messi, ou não se veja jogos da Champions.

É um fenómeno ainda em crescimento?
Ainda. É o resultado da globalização da informação. Talvez daqui a alguns anos, o consumo tenda a estabilizar.

Num sector de tantos milhões, como é possível que um clube como o Flamengo mantenha jovens jogadores em instalações sem condições, dez dos quais morreram num incêndio...
Isso não é uma fatalidade. Fatalidade é aquilo que foge ao nosso controle. Não é um raio que cai. É uma tragédia motivada por uma série de coisas, como negligência falta de controle e pelo que li uma série de infrações. Infelizmente aconteceu o que continua a acontecendo no Brasil, que é a falta de planejamento e que não é punida atempadamente. Houve dois casos de tragédias recentes, que não teriam sucedido se tivessem sido tomados os cuidados necessários, como a situação da barragem (de Brumadinho), em Minas Gerais. Se a lei fosse cumprida, se calhar aquelas tragédias nem existissem. Lá como cá, a justiça não funciona da melhor maneira.

Vêm aí mais de 100 milhões de ficheiros secretos, documentos e e-mails revelados pelo Football Leaks. Os agentes de futebol têm motivos para temer novas revelações, após as condenações, por exemplo, de Cristiano Ronaldo ou Mourinho por fuga ao fisco?
Quem tiver feito as coisas bem feitas não. Conheço bem os dois, e não houve fuga a nada. Houve uma alteração legislativa, que levou a muita confusão.

Que confusão?
Em Espanha, quando joguei no Barcelona, havia uma legislação em que os estrangeiros pagavam menos impostos por uma série de razões, como hoje existe em Portugal. Conheço as pessoas e quem trabalha com elas. Os dois, como todos os outros estrangeiros, foram beneficiados por uma lei que existia e foi alterada. Por alguma razão, terá existido situações que não terão sido acauteladas. Há grande confusão, em especial do lado do fisco espanhol, que atingiu muitos jogadores, não foi só o Cristiano ou Mourinho.

Foram os dois condenados.
Neste momento, em Espanha há uma caça ao futebol um pouco absurda. Como se só no futebol haja problemas. Aí não estou de acordo. Não acredito que tenham criado estruturas para fugir ao fisco, era o que permitia a lei da altura.

Os futebolistas têm encargos fiscais demasiado pesados? É o que justifica os contratos de imagem para pagarem menos?
De que jogadores estamos a falar? Dos que ganham muito, dos que ganham pouco ou dos que ganham salário mínimo? É preciso fazer essa distinção. Quando se fala de jogadores de futebol, não podemos olhar só para o topo da pirâmide, mas para o todo. E no todo, os jogadores são de alguma forma injustiçados por uma questão simples: têm uma profissão de duração curta e muitos quando deixam de jogar não têm condições de sobreviver. Não tiveram nem oportunidade de poupar dinheiro. As mesmas obrigações que eu tive a jogar no Barcelona têm os que jogam no Louletano ou no Varzim. Qual a diferença? É que uns conseguem ter uma carreira em que ganham muito, outros andam na linha mais baixa e não se conseguem preparar para nada. É muito bonito falar do futebol do topo, mas a realidade da esmagadora maioria dos futebolistas é carreira curta, desgaste físico rápido. E chegam ao fim e nem aposentadoria têm. É um sistema errado. Devia haver legislação para os ex-jogadores terem benefício a longo prazo...

Na idade da reforma?
Talvez.

Mas também não há falta de cabeça por não se preocuparem em fazer formação para o pós-carreira?
Nem todos têm possibilidade de o fazer. Eu, ex-jogador do Barcelona, como jogadores de equipas menores, não tínhamos tempo para nos formarmos durante a carreira. Eu fiz o 12º ano mas não tive tempo de fazer uma faculdade. Agora, sim, posso fazer. O desporto profissional, o dos milhões, é bonito em cima, em baixo não é o que as pessoas pensam.

O que comprou com o seu primeiro ordenado a sério? Foi no FC Porto?
Eu sempre gostei de comprar casas, imóveis, de investimento imobiliário. Vivo um pouco disso, de renda. Nunca quis ter dinheiro no banco. Comprava, comprava. Comprei a minha primeira casa no Porto, um apartamento no Aviz, quando fiz o meu contrato com o FC Porto.

E carros?
Nunca gostei de carro. Com seis filhos, tenho dois carros de sete lugares, um para mim, outro para a minha mulher. Mas respeito quem gosta de carros.


TOM PURSLOW
Quem foram os treinadores que mais o marcaram?

O que mais me ajudou foi Fernando Santos, ensinou-me coisas que não sabia. Mário Wilson também foi importante na minha chegada em Portugal, mas o que mais me impressionou foi Mourinho. Não tinha visto ainda ninguém treinar nem preparar o jogo daquela forma.

Como?
Foi um revolucionário naquele tempo. A sua visão de treino, do jogo, do adversário, conseguiu juntar tudo o que aprendeu numa pessoa só e colocar em prática. Tinha muita ideia e ambição. Foi uma sorte ter trabalhado com ele naquele momento, quando tinha tudo para dar.

Deixou de ter?
Não quer dizer que não tenha nada hoje, tem experiência, mas naquela altura fez a diferença em muita coisa. Agora não sei porque não treino com ele. Vai ter sucessos, insucessos, o normal no futebol.

E Rijkaard, no Barça?
Marcou-me pela sua personalidade. Era um treinador que não queria nada para ele. O facto de ter sido um grande jogador fazia com que não quisesse ser protagonista. Ele já tinha sido protagonista. Nos êxitos do Barcelona preferia nem aparecer. Isso não é normal. É um pouco o perfil do Zidane. Foi um dos melhores nº 10 do mundo. E não posso esquecer Scolari.

O que tem de diferente?
É um comunicador nato com os jogadores. Tem uma capacidade emotiva e de grande convencimento.

No balneário, quem foram os melhores capitães de equipa?
Jorge Costa tinha tudo. Liderança, carisma. Era líder nos momentos importantes, e sabia lidar bem como o clube e os treinadores nos menos bons. Puyol foi grande capitão pelo exemplo do campo e dedicação.

Como surgiu a ideia de despedir-se do futebol em 2014, juntando no Dragão as equipas campeãs europeias de 2004 e de 2006 do Barça? Foi marketing?
Não. Não ganhei nada com isso. Se pudesse ter escolhido um clube para acabar a carreira, teria sido o FC Porto. Vou para o Brasil por razões pessoais, e fui muito feliz no Fluminense. Mas como não me despedi no Porto, quis fazer o jogo do adeus no Dragão. Pedi ao presidente, ele autorizou logo e acabei por juntar as duas equipas que mais contribuíram para a minha carreira.

Foi complicado reunir os seus antigos colegas?
Foi tranquilo.

Qual o jogo que mais o marcou?
É difícil escolher um jogo só. O jogo quase perfeito foi quando ganhámos, aqui, à Lázio, 4-1 para a Taça UEFA. Nem marquei, mas foi o jogo que me deu mais prazer.

E o golo que mais gozo lhe deu marcar?
Eu nunca tive a vontade do golo. Nunca tive essa obsessão. Nunca me preocupei muito. Era um defeito que tive enquanto jogador. Se eu Deco-empresário tivesse de dar um conselho ao Deco-jogador, era ter maior preocupação com o golo. Sempre falo para os jogadores que jogam na minha posição. Eu preocupava-me muito com o jogo e a criação, em ganhar. Foi um erro. Podia ter melhorado a finalização. Acabei por marcar golos e lógico que festejava e dava prazer.

E não ficou com um em especial na memória?
Talvez o golo ao Brasil. Teve um significado, mais do que se fosse um jogo particular. Era a minha estreia, Portugal venceu, o que já não sucedia há décadas. Foi um jogo com muito envolvimento. O Brasil tinha sido campeão em 2002 e Portugal tinha uma seleção com muito caráter.

E o seu maior amargo de boca? Ter perdido a Bola de Ouro para Shevchenko, em 2004?
Não. O maior desgosto foi ter perdido a final do Euro 2004.

Foi nomeado um dos melhores jogadores da prova...
Para mim, isso não contava nada.

Não é vaidoso?
Mentiria se dissesse que não gostaria de ter ganho a Bola de Ouro. Mas não é menos verdade que o meu maior sonho era ter ganho o Europeu.

Esta época, o FC Porto já esteve à frente na Liga, depois foi o Benfica, agora estão taco a taco.E o título vai para...
Já pensei mais no Porto, depois mais no Benfica. As duas equipas estão muito bem, embora o FC Porto tenha tido uma gestão difícil com lesões de jogadores importantes... Há dois meses para cá que o processo do Benfica é ao contrário, treinador novo, recuperação de jogadores, novo ânimo. Mas como sucede com as equipas do Sérgio, acabam muito bem as fases finais do campeonato. Daí que o FC Porto está a voltar ao que foi durante a maior parte da época.

No Twitter, após a vitória com a Roma, escreveu “não sei se ele (Sérgio Conceição) é bom, teve sorte, se é um génio, um ditador, um catedrático...só sei o que ele fez! E se aprendeu com Fernando Santos, Mourinho ou Jesualdo...”
Foi no twitter de um amigo. Eu sei onde foi buscar o que sabe: a muito trabalho. Tem um caráter que por vezes chega até ao limite. É um vencedor nato. Joguei com ele e acompanho a carreira dele desde o início. E tem feito um excelente trabalho. Como treinador, sempre achei que a maior dificuldade que iria ter seria a de lidar com o seu caráter impulsivo. Sempre foi e vai ser uma marca dele. Mas também é à sua forma de ser que se deve o seu sucesso. Gosto de treinadores que transmitem a sua identidade às equipas. No FC Porto recuperou coisas que andavam de alguma forma adormecidas. Até os mesmos jogadores têm outro espírito. Fez o que Mourinho fez num momento difícil. Ambos apanharam o FC Porto num mau momento e deram a volta.

Hoje, e mais difícil uma equipa como a do FC Porto vencer a Champions do que em 2004?
Quando a equipa passou aos oitavos de final eu disse que o FC Porto fazia sonhar. Eliminou a Roma e continuamos sonhando. Já achava difícil no nosso tempo, hoje ainda mais, mas dá para sonhar. A diferença financeira é crescente para os grandes clubes europeus. A dificuldade em manter jogadores é também maior. Em 2003, o FC Porto fez um esforço para manter os jogadores importantes e manteve. Quando se consegue isso, ajuda. E o FC Porto fez isso no final da época passada, mesmo tendo a questão do fair-play financeiro. E manteve o Sérgio, que com certeza deve ter tido convites de clubes grandes. Há muita semelhança entre o que FC Porto fez em 2003 e agora, por isso não há como não sonhar.

Há uns anos disse que Pinto da Costa era a maior figura de Portugal.
Do futebol português, mas também uma das maiores do país. O maior não me atreveria a dizer num país com tanta história. Do futebol com certeza, pela transformação que fez no FC Porto e pela capacidade de se reinventar como gestor em momentos difíceis. É um presidente-executivo, não presidente-figura. Conheço-bem, tive a sorte de conviver com ele muitos anos e ainda hoje. Transformou o clube num dos maiores de Portugal e com sucesso contínuo. Não é fácil, é preciso ter mais perceção e feeling diferente dos outros. Apesar da idade continua a tomar decisões mais certas do que erradas.

Costuma ir ao Dragão?
Sempre que posso.

A primeira vez que foi ao estádio diz-se que foi amor à primeira vista. É assim?
Estava no Salgueiros, fui ver um jogo para o campeonato, nem sabia ainda do interesse do FC Porto, e senti que era ali que queria jogar. Fiquei apaixonado pelo ambiente. É um clube com grande cultura de vitória. Há uma pressão natural pelo facto de a cidade envolver todo o clube. No Barça também se vive um pouco isso. Há clubes com essa marca de profunda ligação à cidade, que vinca uma pressão maior de ganhar. Vai no médico do teu filho e é portista, no restaurante o dono também. Daí quando se ganha você sente-se muito bem, quando se perde é uma coisa coletiva. Cria-se por isso uma necessidade natural de ganhar.

É verdade que quando venceu a Taça UEFA pediu para sair e Pinto da Costa não deixou, com o argumento que no ano seguinte iam vencer a Champions?
É verdade. Eu nunca quis sair do FC porto sem ser protagonista, sem entrar na história do clube. Seria uma derrota sair do clube sem ser parte da sua história. Era um desafio pessoal. Os anos anteriores tinham sido frustrantes, mas mesmo assim tive convites de outros clubes, como o Inter em 1999/2000 ou do Bayern de Munique. No final de 2003, a minha história no FC Porto estava ali. Tive a sensação de dever cumprido e achava que estava na hora de partir. Tanto mais que sabia do interesse do Barcelona, o clube que sonhava desde pequeno. E foi falar com o presidente...

O que lhe disse?
Que não me deixava sair porque íamos ganhar a Liga dos Campeões. Achei engraçado.

Não acreditava?
Achava que tínhamos uma grande equipa, ganhámos a UEFA com muita autoridade, mas a Champions seria complicado e não era argumento para ficar. Então disse-me que me deixava sair se o Mourinho deixasse. Foi falar com ele e Mourinho disse que deixava se o presidente deixasse. Aí percebi que não teria hipótese. Mas o presidente fez-me uma promessa. E cumpriu: no ano seguinte sairia para onde eu desejasse. Claro que não a custo zero. A oferta do Barcelona não foi absurda por um jogador que considerado o melhor da Europa...

€ 15 milhões mais o regresso de Quaresma.
Sim. Tinha ofertas maiores, do Bayern e do Chelsea. O presidente teve comigo uma postura correta, cumprindo a palavra.

Gostou de viver em Barcelona?
Gostei. Tenho lá casa. Vamos muitas vezes. Quando decidimos voltar para a europa, a minha mulher queria ir para Barcelona, eu quis vir para o Porto. Gosto mais. Não tem explicação.

O Brasil ainda é o maior fornecedor de talentos do futebol?
Ainda sim, até por uma questão geográfica e populacional. O Brasil tem mais de duzentos milhões de habitantes e o desporto do país é o futebol, além de ter um histórico de clube importantes. Por isso, quando digo o maior é por uma questão de quantidade, não quer dizer que seja o melhor. Portugal, para o seu tamanho, é um país com enorme talento para o futebol. Basta parar para pensar quantos jogadores saíram para clubes do topo. Os clubes e a Federação têm feito um trabalho fantástico.

Há um crescente entusiasmo pelo futebol por parte de países como a China e o Japão. O futuro do futebol está passa pela Ásia?
Será muito difícil um país asiático chegar ao nível das ligas europeias. Mas o Japão já tem jogadores de muita qualidade. Tenho mantido negociações com clube japoneses, alguns já com 20 ou 30 anos de história, quando na Europa quantos não são centenários? O mesmo em relação aos clube brasileiros.

O que mudou no Brasil após a eleição de Jair Bolsonaro?
Já não estava lá, mas tive amigos que decidiram sair. Houve uma saída muita grande para Portugal, depois dos EUA terem sido o principal destino de emigração. Os brasileiros escolheram Bolsonaro porque existia uma sensação muito grande de impunidade e insegurança. A sensação era que a corrupção não era punida, a lei não cumprida. Para mim, eram foram os factores mais complexos dos últimos anos no Brasil. Os níveis de insegurança piorou muito, mesmo em cidades que eram mais tranquilas. A eleição de Bolsonaro foi um voto contra o que estava acontecendo. Alguma mudança teria de haver. O seu perfil encaixou bem no personagem que representaria a mudança e as pessoas acreditaram nisso.

E continuam a crer?
As pessoas estão a viver a fase da euforia, da expectativa. Vamos ver nos próximos tempo se vai corresponder. Nota-se que há um otimismo

« Última modificação: 23/Mar/19, 15:48 por ASCD »

Offline Absolution

  • Bancada central
  • ***
  • Mensagens: 1.271
  • Desde: Jul 2018
Re: Deco
23/Mar/19, 16:33 • #11096
A Jaciara ainda vive na Invicta?

Hmmm...

Offline TiagoV

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 5.378
  • Desde: Mar 2016
Re: Deco
24/Mar/19, 23:20 • #61022

Offline Ripas

  • Tribuna
  • ****
  • Mensagens: 2.656
  • Desde: Mar 2019
Re: Deco
26/Mar/19, 21:28 • #70089
Melhor jogador que vi de dragão ao peito, de muito longe.

Offline Zeus

  • Lugar Anual
  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 6.632
  • Desde: Ago 2015
Re: Deco
13/Jun/19, 18:42 • #17082
Estes passes à baliza...


Offline Roberto_FCP

  • Bancada central
  • ***
  • Mensagens: 2.348
  • Desde: Mar 2012
Re: Deco
18/Ago/19, 10:48 • #10052
Alguém arranja a sua entrevista ao record?

"Gostava de ajudar mais o FC Porto...", diz ele.

Deixou-me curioso...

Offline jardel

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 12.462
  • Desde: Out 2012
  • Membro do Mês Outubro/2018
Re: Deco
18/Ago/19, 12:21 • #16020
Alguém arranja a sua entrevista ao record?

"Gostava de ajudar mais o FC Porto...", diz ele.

Deixou-me curioso...

Leia-se "gostava de colocar mais jogadores que represento no clube para receber a comissãozinha".

Offline Paulo Sérgio

  • Bancada central
  • ***
  • Mensagens: 1.324
  • Desde: Jan 2017
Re: Deco
18/Ago/19, 15:55 • #70037
Alguém arranja a sua entrevista ao record?

"Gostava de ajudar mais o FC Porto...", diz ele.

Deixou-me curioso...