Autor Tópico: Tecnologia  (Lida 10945 vezes)

Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
13/Jun/18, 13:36 • #33028
Tecnologia criada no Porto gere redes de água sem usar energia elétrica


Investigadores do Porto estão a desenvolver uma tecnologia para controlar a água em redes de abastecimento e sistemas de rega agrícolas, que não necessita de bateria nem de energia elétrica para funcionar e que permite reduzir os custos associados.

“As soluções atuais de geração de energia em condutas de água não são apropriadas às pressões existentes nas redes de abastecimento de água potável, o que conduz a constrangimentos nesse abastecimento”, disse à Lusa João Ventura, do departamento de Física e Astronomia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (DFA-FCUP), um dos responsáveis pelo projeto TriboE.

O objetivo deste projeto, explicou, é criar uma turbina triboelétrica de alta eficiência e baixo custo, que será aplicada em sistemas de distribuição de água potável, capaz de gerar energia elétrica a partir de pequenos fluxos de água.

Através desta tecnologia, continuou, será possível gerar a energia necessária para alimentar os dispositivos de sensorização, como é o caso dos sensores presentes em redes de abastecimento de água ou em sistemas de rega agrícolas.

Esta turbina utiliza uma nova tecnologia, baseada no efeito triboelétrico, que, embora “extremamente comum no dia-a-dia, só recentemente tem sido utilizado para gerar energia”, referiu o investigador.

Recorrendo a esse efeito, “consegue-se converter todo o tipo de energia mecânica, devido à sua alta eficiência de conversão (que pode chegar aos 75%), densidade de potência, baixo custo e fácil fabrico”, acrescentou.

Segundo João Ventura, esta tecnologia está a ser desenvolvida com o intuito de aumentar a segurança e o controlo dos sistemas de monitorização de água, tornando-os mais autónomos energeticamente, sem necessidade de recarregar bateria ou levar energia elétrica aos locais onde estão instalados.

“Ao gerar localmente a energia necessária para alimentar sensores, utilizando uma turbina triboelétrica eficiente, a nossa proposta afasta a necessidade de substituição de baterias, permitindo reduzir custos e perdas de água na rede de distribuição”, frisou.

Esta criação, segundo o responsável, resulta do trabalho desenvolvido ao longo do tempo ao nível de tecnologias para recuperação de energia do meio ambiente, que, “há dois anos, passou por um dos seus momentos fulcrais de desenvolvimento”.

A ideia para o TriboE surgiu em 2016, durante a tese de mestrado de Cátia Rodrigues, outro dos elementos da equipa, na qual desenvolveu um protótipo capaz de aproveitar pequenos fluxos de fluidos, como água ou ar, para gerar energia elétrica que pudesse ser utilizada para alimentar sensores.

“Desde essa altura temos continuado a otimizar a tecnologia, de modo a tornar viável a sua demonstração em ambiente real e, possivelmente, a sua comercialização”, contou.

De acordo com João Ventura, este projeto pretende responder às necessidades das empresas de abastecimento e distribuição de água, que procuram otimizar as suas operações e melhorar os serviços prestados.

Neste momento, a equipa está a criar um protótipo para ser colocado em condutas de abastecimento de água potável, para demonstrar a tecnologia em ambiente real, levando, assim, à sua comercialização.

Além de João Ventura e Cátia Rodrigues, colaboram no TriboE o professor André Pereira e a pós-doutorada Mariana Proença, todos pertencentes ao Instituto de Física dos Materiais da Universidade do Porto (IFIMUP) e ao DFA-FCUP.


>>>>>>  https://24.sapo.pt/tecnologia/artigos/tecnologia-criada-no-porto-gere-redes-de-agua-sem-usar-energia-eletrica

Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
15/Jun/18, 22:15 • #42050
Novo capítulo na história do CERN com início da construção do HI-Lumi



Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
05/Jul/18, 20:25 • #46076


Offline MaximusInvictus

  • Arquibancada
  • *
  • Mensagens: 378
  • Desde: Ago 2015
Re: Tecnologia
07/Jul/18, 01:26 • #73063
#ComissãoEuropeiaVaiTomarNoCú

Justice temporally served...

http://www.businessinsider.com/wikipedia-is-protesting-new-eu-copyright-laws-with-a-blackout-2018-7


http://thehill.com/policy/technology/395564-eu-votes-to-block-controversial-copyright-law-that-would-ban-memes

Espero que em Setembro, seja completamente anulada. Nada de alterações a esta lei vergonhosa... Acabem com esta m@rda. #EUExit
« Última modificação: 07/Jul/18, 01:40 por MaximusInvictus »

Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
16/Jul/18, 20:25 • #98069
Brasil inova na medicina em 3D



Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
18/Jul/18, 14:12 • #41066
UE multa Google em 4340 milhões de euros



Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
23/Jul/18, 17:32 • #63089
Uso do telemóvel pode afetar a memória dos jovens



Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
27/Jul/18, 14:42 • #87099
Aplicações criadas no Porto auxiliam à distância pacientes com doenças crónicas


Investigadores do Porto estão a desenvolver aplicações informáticas que permitam monitorizar, à distância, o processo de doença e o tratamento de pacientes com patologias crónicas, bem como informar os serviços de cuidados de saúde em caso de necessidade.

Através dessas aplicações, será monitorizada a adesão do paciente à terapêutica ao longo do tempo - através do envio de alertas de administração e da sua validação -, os sintomas e as possíveis complicações, bem como outros indicadores de saúde associadas à doença, disse à Lusa Célia Santos, professora da Escola Superior de Enfermagem do Porto (ESEP) e uma das responsáveis pelo projeto.

Os indicadores apresentados pelos utilizadores, continuou, serão associados a três níveis de alerta (verde, amarelo e laranja), mediante os quais serão fornecidas orientações terapêuticas, tudo via 'smarthphone', que poderão ir desde do tipo preventivo ou de tratamento, até à sinalização para serviços especializados, em casos de necessidade.

"Sempre que a situação de saúde exija um cuidado profissionalizado, a pessoa será encaminhada para os serviços de saúde, que podem ser cuidados primários ou diferenciados", frisou.

Com recurso a estas tecnologias, será ainda possível gerar um conjunto de dados clínicos que possibilitem um melhor acompanhamento dos pacientes, bem como promover a comunicação entre os profissionais de saúde e os doentes, acrescentou a investigadora do grupo NursID, do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (Cintesis).

O objetivo deste projeto, explicou, passa por acompanhar remotamente a pessoa com doença crónica, maximizando a sua perceção de bem-estar e de qualidade de vida, "paralelamente ao adequado tratamento da sua doença".

O processo para utilização destas aplicações inicia com uma consulta de admissão, na qual são recolhidas informações sociodemográficas e de saúde e identificadas escalas relativas à autoeficácia e à qualidade de vida, reaplicadas posteriormente nos diferentes momentos de contacto, no sentido de se perceber a sua evolução.

Segundo Célia Santos, a intenção da equipa é abranger todas as doenças crônicas neste projeto, especialmente as mais prevalentes na nossa sociedade.

Neste momento, enquanto aguardam financiamento, estão a desenvolver dois módulos para as aplicações, um orientado para as pessoas com doença oncológica em tratamento de quimioterapia no domicílio e outro para indivíduos com diabetes mellitus tipo II.

A principal inovação do projeto, considerou a investigadora, é o facto de permitir "o acompanhamento constante e à distância das pessoas que, sendo portadoras de doença, necessitam de um regime terapêutico continuado e com monitorização de saúde que hoje não é possível ser realizado pelos serviços de saúde comunitários".

A pessoa sentir-se-á sempre mais próxima dos profissionais de saúde e incentivada a gerir melhor a sua doença, pois terá uma resposta pronta e adequada às suas necessidades, sem ter de recorrer aos serviços de saúde.

Participam igualmente no projeto os investigadores do Cintesis Carla Sílvia Fernandes e Bruno Magalhães, bem como a Universidade Fernando Pessoa (Porto), a Escola Superior de Saúde de Santa Maria, a Unidade Local de Saúde de Matosinhos, o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho e a Associação de Enfermagem Oncológica Portuguesa.


>>>> https://24.sapo.pt/tecnologia/artigos/aplicacoes-criadas-no-porto-auxiliam-a-distancia-pacientes-com-doencas-cronicas


Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
21/Ago/18, 15:57 • #50069
As novas tecnologias anti-drones atraem os mais ricos



Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
24/Ago/18, 13:02 • #52079
Robô ajuda crianças autistas a serem mais sociáveis



Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
24/Ago/18, 14:18 • #71041
"Trolls" russos promoveram discórdia acerca das vacinas nos EUA


« Última modificação: 24/Ago/18, 14:19 por André Farinha »

Offline André Farinha

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.715
  • Desde: Abr 2018
Re: Tecnologia
29/Ago/18, 14:22 • #74091
Ano escolar em França arranca sem telemóveis



Offline PortoMDL

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 26.432
  • Desde: Out 2014
Re: Tecnologia
29/Ago/18, 14:59 • #29093
Ano escolar em França arranca sem telemóveis




Totalmente de acordo...

Cá em Portugal devia ser, telemóveis na sala de aula, imediatamente confiscados...

Online Zeus

  • Lugar Anual
  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 6.766
  • Desde: Ago 2015
Re: Tecnologia
29/Ago/18, 15:04 • #65050
Totalmente de acordo...

Cá em Portugal devia ser, telemóveis na sala de aula, imediatamente confiscados...

Fix meu, e o que achas de voltar as reguadas nas mãos aos alunos que fazem mais barulho?

Bora voltar ao século passado!!!