Autor Tópico: São os países nórdicos socialistas? (texto em espanhol)  (Lida 604 vezes)

Offline JMPedroto

  • Tribuna
  • ****
  • Mensagens: 4.142
  • Desde: Nov 2017
Citar
Un lugar común en debates sobre desarrollo consiste en identificar a los países nórdicos —Islandia, Noruega, Dinamarca, Suecia y Finlandia— como ejemplos exitosos de economías socialistas, cuyos modelos además deberían ser replicados en otras partes del mundo, particularmente en América Latina.

El error consiste en catalogar a estas economías como socialistas simplemente porque cuentan con elevados niveles de gasto público y altas cargas tributarias. Si bien es cierto estos países se distinguen por sus generosos Estados de Bienestar, la realidad es que en otras áreas de política económica se encuentran entre las naciones más libres del planeta.

El índice de Libertad Económica en el Mundo, diseñado originalmente por un grupo de economistas liderado por Milton Friedman y publicado anualmente por el Fraser Institute de Canadá, identifica cinco grandes áreas que determinan la libertad económica de un país: 1) tamaño del Estado, 2) sistema jurídico y derechos de propiedad, 3) solidez de la política monetaria, 4) libertad de comercio internacional y 5) regulaciones de los mercados crediticio, laboral y comercial.

Según este estudio, en su última versión del 2013, todos los países nórdicos, excepto uno, ocupan posiciones entre las 40 economías más libres del planeta: Finlandia (7), Dinamarca (14), Suecia (29) y Noruega (31). La excepción es Islandia, en el lugar 41. En contraposición, solo dos naciones latinoamericanas están entre las 40 más abiertas: Chile (11) y Perú (22).

A pesar de que los países nórdicos obtienen malas calificaciones en el apartado de “tamaño del Estado”, debido a sus elevados gastos públicos e impuestos onerosos, en las otras áreas destacan por sus políticas liberales. Por ejemplo, sus sistemas jurídicos se encuentran entre los más eficientes y transparentes del mundo: mientras en las naciones nórdicas hacer cumplir un contrato requiere de una mediana de 375 días, en América Latina toma 600 días. La protección de la propiedad privada, base fundamental de toda economía de libre mercado, es más fuerte también en los países nórdicos. Según el Índice Internacional de Derechos de Propiedad, estas naciones cuentan con una nota mediana de 8,2 (sobre 10) en cuanto a protección de la propiedad física, mientras que los latinoamericanos obtienen una magra calificación mediana de 5,95. Es más, de los cuatro países que encabezan dicho ranquin, tres son Noruega, Finlandia y Suecia.

En materia monetaria, los nórdicos también destacan por su apego a políticas ortodoxas. En el período del 2000 al 2013, la mediana de inflación en estos países ha sido únicamente 1,96 por ciento al año, mientras que el equivalente para las naciones latinoamericanas ha sido 6,38 por ciento anual. Aún cuando América Latina ha experimentado una mejora significativa en este apartado en los últimos 15 años —en relación con los períodos hiperinflacionarios de los ochenta e inicios de los noventa— la inflación en nuestra región ha sido más de tres veces superior a la de los nórdicos en lo que va de siglo. Curiosamente, Venezuela, el país latinoamericano que más se precia de implementar un modelo socialista, cerró el 2013 con una inflación oficial de 56,1 por ciento, la más alta del mundo.

Los países nórdicos se caracterizan además por su apuesta al libre comercio. En esa región, la mediana de impuestos a las importaciones es 5,3 por ciento, mientras que en América Latina alcanza el 7,7 por ciento. Estas naciones del norte europeo también imponen menos barreras no arancelarias, controles de capitales y restricciones a la inversión extranjera directa que sus pares latinoamericanos. Finalmente, los nórdicos gozan de políticas regulatorias que por lo general facilitan el emprendimiento privado, en contraposición a los latinoamericanos que asfixian a sus sectores productivos con un sinnúmero de regulaciones que, a su vez, son caldo de cultivo para la informalidad y la corrupción. De acuerdo al informe Haciendo Negocios del Banco Mundial, cumplir con todos los procedimientos para abrir un negocio de manera formal en los países nórdicos toma una semana de trámites, pero en América Latina el mismo proceso requiere de tres semanas.

Estas cifran confirman que las economías nórdicas se encuentran entre las más liberales del mundo. Cuando los socialdemócratas latinoamericanos las ponen de ejemplo a seguir, parece que lo único que quieren copiarles son sus impuestos. Pero incluso en el área tributaria, los nórdicos cuentan con políticas más favorables a la generación de riqueza. Una empresa promedio en estos países paga una tasa de impuesto corporativo de 22 por ciento, mientras que en América Latina el equivalente es de 28 por ciento. Si bien es cierto que en el norte de Europa cuentan con elevadas cargas tributarias, los impuestos se concentran en la renta personal y el consumo, no en la generación de riqueza.

De tal forma, cuando se presenta al modelo de los países nórdicos como ejemplo a seguir en América Latina, es necesario realizar un análisis más exhaustivo de todo su rango de políticas económicas, y no quedarse únicamente en sus niveles de gasto e impuestos.





https://elpais.com/internacional/2014/08/07/actualidad/1407371823_579981.html


Para quem diz que os país nórdicos são "socialistas", até têm umas políticas económicas liberais jeitosas....

Offline kal-el

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 7.976
  • Desde: Ago 2006
Estás a esmagar um assunto que tem tudo para ser interessante!

Estas a lançar a tese "São os países nórdicos socialistas?" única e exclusivamente porque te interessa provar a anti-tese, ou seja o NÃO!

Podias lançar o assunto de forma mais construtiva como "As razões das sociedades mais desenvolvidas do mundo"...

Offline JMPedroto

  • Tribuna
  • ****
  • Mensagens: 4.142
  • Desde: Nov 2017
Estás a esmagar um assunto que tem tudo para ser interessante!

Estas a lançar a tese "São os países nórdicos socialistas?" única e exclusivamente porque te interessa provar a anti-tese, ou seja o NÃO!

Podias lançar o assunto de forma mais construtiva como "As razões das sociedades mais desenvolvidas do mundo"...

Podes refutar o tema.

A pergunta é "são os países nórdicos socialistas?".

Agora cada um debate se acha que sim ou que não. Eu apresentei o primeiro argumento mas podes publicar a tua opinião e contrariar o que disse.


Offline TiagoV

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 5.634
  • Desde: Mar 2016
A economia é livre, lá. Têm também um estado de bem estar social. Há quem diga que é social democracia.
« Última modificação: 16/Nov/18, 01:14 por TiagoV »

Offline J | [Ka!s3r^].

  • Lugar Anual
  • Bancada central
  • *****
  • Mensagens: 2.329
  • Desde: Abr 2012
O que é uma economia socialista? Torna-se necessário apresentar uma definição. As economias, relativamente à intervenção do estado, vão de centralizadas/planificadas – em que um órgão central (governo/estado) chama a si a maior parte das decisões fundamentais ao funcionamento do sistema económico (produção e distribuição), possui a maior parte dos recursos e emprega a quase totalidade da força produtiva disponível – a economias puras de mercado – descentralizadas, sem intervenção estatal, fundamentadas no liberalismo económico, na livre concorrência, em que o mercado dá provimento às questões económicas fundamentais. Pelo meio (e os extremos existem sobretudo como modelos teóricos) há um espectro de diferentes configurações económicas, sistemas híbridos, em que o mercado encarrega-se das funções de produção e distribuição e o estado, agente económico, actua como regulador, corrige limitações e supre as questões a que o mercado não dá resposta (redistribuição, justiça social, estabilização macroeconómica…), e onde encontramos a quase totalidade das economias mundiais. A Coreia do Norte porventura representará uma economia centralizada.

Convém não traçar lógicas lineares e abusivas entre sistemas políticos e sistemas económicos, partidos políticos e modelos de organização da economia. Os partidos socialistas e sociais-democratas europeus desenvolvem os seus programas políticos em economias capitalistas. Nem o Bloco de Esquerda suprimiria a iniciativa privada. Se se toma “economia socialista” por sistema económico planificado, é evidente que nenhum país nórdico (nenhum país europeu, nenhum país…) cabe nessa categoria. Por outro lado, nenhum deles é uma economia pura de mercado. Princípios liberais clássicos e mecanismos de influência keynesiana – que operam em sistemas capitalistas e não em “economias socialistas” – podem coexistir no mesmo modelo de organização económica. O ocidente beneficiou largamente com a aplicação das teses keynesianas e o estabelecimento do Wellfare State no pós-2ª Guerra Mundial. As economias dos seus países não eram socialistas, mantiveram-se capitalistas. No outro tópico referia-se Mises e Hayek. Diga-se que, eufemisticamente, os neoliberais têm muitas reservas quanto à função redistributiva do estado. As economias nórdicas não são neoliberais. Não são socialistas.
« Última modificação: 16/Nov/18, 01:19 por J | [Ka!s3r^]. »

Offline Malhanga

  • Bancada central
  • ***
  • Mensagens: 1.665
  • Desde: Nov 2016
Quem diz que as economias do Norte da Europa são XUXIALISTAS anda a "fumar" umas coisas giras....

Daquelas que alucinam....

É que só pode....

Mas neste País em que a iliteracia é gigantesca aos mais variados níveis, com a CS vendida/controlada pelas teses mais esquerdóides possíveis, tal como no futebol o SLBOSTA controla a CS, e com gajas como as Mortáguas com 28 anos que nem saber o que é trabalhar...., "elevadas" a génios do pensamento político e da nova modernidade que nos levará ao paraíso e erradicará todos os males do mundo, tudo é possível....
« Última modificação: 16/Nov/18, 01:00 por Malhanga »

Offline TiagoV

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 5.634
  • Desde: Mar 2016
com gajas como as Mortáguas com 28 anos que nem saber o que é trabalhar....,
As gémeas Mortágua já devem ter passado dos 30.

Offline Malhanga

  • Bancada central
  • ***
  • Mensagens: 1.665
  • Desde: Nov 2016
As gémeas Mortágua já devem ter passado dos 30.

Não lhes adiantou muito terem mais "rodagem" a julgar pelo que dizem pela boca fora...

Mas também com o berço que tiveram...

Pai "bombista", a assaltar bancos pela causa....

Offline Morais

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 12.516
  • Desde: Mai 2017
Olha vou dar minha opinião com enfoque na Suécia que é o país nórdico que conheço e até tive laços familiares.
Falar de países nórdicos embora eles etnicamente sejam idênticos mas não são assim tão parecidos quanto se possa pensar,um dinamarquês é bastante diferente dos restantes nóricos,o finlandês também tem alguma diferenças.
Quanto a serem socialistas não concordo nada com isso basta ver que por exemplo as maiores empresas suecas são privadas sobretudo após a crise de 1990 e as privatixações ocorridas até 1996 para entrarem na União Europeia.
O que eu acho sobre seu modelo económico para mim é embasado em conceitos sociais democratas em toda a sua plenitude,só que talvez lá deu certo na minha opinião pelo seguinte pe uma social democracia de origem operária e não burguesa como nos países latinos por exemplo,parece pouca coisa mas não é.o
Claro que o Estado é muito presente nos assuntos sociais mas já foi mais é bom dizer assim como são liberais mas a nível interno pois em antes de entrarem na UE não eram tão liberais assim mais,era muito difícil exportar algo para esses países,veja-se o caso Norueguês é um país muito pouco receptivo ao exterior,mas é um caso específico.
Voltando ao tema não têm nada de socialistas apenas entendo que eles adotaram um modelo que funciona dadas as suas espeficidades e por dar certo lá não quer dizer que sejam transportáveis para outras latitudes,primeiramente porque um terço de suas populações têm curso superior já aí a diferença é abismal,mas isso foi fruto de no pós guerra eles aproveitarem seu recurso principal o ferro no caso sueco e apostar muito forte na educação e programas sociais.

Offline jozé

  • Arquibancada
  • *
  • Mensagens: 451
  • Desde: Jul 2015
Não há um capitalismo unidimensional, mas sim, existem variantes do capitalismo. Como qualquer modelo de organização, "o capitalismo" é permeável à crítica e a evolução do "capitalismo" sugere que essas críticas têm sido interiorizadas. Mas o crescimento dos últimos séculos não se baseia apenas num modelo de organização económica, mas também no conhecimento (científico e saber fazer), tecnologia, evolução da moral (maior tolerância, apesar das catástrofes ocasionais).

Btw, as críticas actuais denunciam, sobretudo, o capitalismo de casino (crítica ao sector financeiro), desigualdade material que se conexa com o individualismo daqueles que querem fazer dinheiro, etc.

É um modelo de organização com falhas? É. Mas vai se ajustando a formas de pressão e mesmo as próprias crises despoletadas por acções de lunáticos (crise 2008) servem para reforçar a crítica ao sistema

Agora em relação à Suécia, olhemos para a história. O descontentamento com as políticas económicas liberais fez, na década de 1920/início de 30, 25% de desempregados. Com a ascensão do partido social democrata (1932) foram introduzidas reformas - como por exemplo taxar rendimentos - que permitiram fundar o Estado social (por exemplo com medidas de protecção aos desempregados, em 1934, etc), entre outras medias. Consequentemente, o "sucesso" da Suécia deveu-se à realização da crítica do capitalismo da sua época, adopção de medidas reformistas que revelam uma preocupação crescente com o cidadão sueco, etc.

Offline desde_pequenino

  • Arquibancada
  • *
  • Mensagens: 378
  • Desde: Dez 2013


Interessante este debate