Autor Tópico: Taça intercontinental  (Lida 6805 vezes)

Offline battou

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 8.048
  • Desde: Mar 2012
Re: Taça intercontinental
13/Dez/17, 11:31
Parabéns aos admiráveis homens da neve de 87!

Faz hoje 30 anos. Tinha 16 anos e acordei às 3 da madrugada para ver o jogo com o meu pai na televisão. Grande Porto!
https://www.publico.pt/2017/12/13/desporto/noticia/entra-filha-da-puta-e-a-bola-entrou-mesmo-1795784?page=/&pos=3&b=latest_news_a_v2

Ainda me estou a rir com o título dessa notícia. :D

Offline MiguelDeco

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 18.923
  • Desde: Set 2013
  • Membro do Mês Dezembro/2018
Re: Taça intercontinental
13/Dez/17, 12:54
se a hotgold vê o título dessa notícia faz mais um filme :) Das minhas primeiras recordações como ser humano esta é uma das mais felizes da minha vida.. Enorme vitória mesmo com a minha mãe sempre a ralhar para eu dormir.. 

Mike_Walsh

  • Visitante
Re: Taça intercontinental
13/Dez/17, 12:59
Tal como fomos 30 vezes campeões nacionais e não apenas 27.
Isso é um bocado discutível.
É verdade que o Campeonato de Portugal conferia o título de Campeão Nacional, mas era uma prova a eliminar com todas as características de uma Taça de Portugal. Aliás, o primeiro Campeonato de Portugal foi constituído por um único jogo, o Porto - Sporting. Não era um Campeonato nem nada de parecido.
Outra coisa: entre 1934/35 e 1937/38, quando já existia Campeonato Nacional, o Campeonato de Portugal continuou a disputar-se. E como chamamos ao vencedor dessas edições? Vencedor da Taça de Portugal? Mas era a mesma prova.
Por outro lado, não havendo Campeonato Nacional até 1934/35, não me custa a aceitar que se considere Campeão Nacional o vencedor do Campeonato de Portugal.
Essa questão foi levantada pelo Sporting, que quer ficar com mais 2 títulos. Mas também contariam, nesse caso, mais 3 títulos de Campeão Nacional para o Belenenses, mais 2 para o Benfica e 1 para o Marítimo, Olhanense e Carcavelinhos.
Sinceramente, não tenho uma opinião completamente formada sobre o assunto.



Offline Dragão do Algarve

  • Arquibancada
  • *
  • Mensagens: 433
  • Desde: Mai 2017
Re: Taça intercontinental
13/Dez/17, 17:38
Isso é um bocado discutível.
É verdade que o Campeonato de Portugal conferia o título de Campeão Nacional, mas era uma prova a eliminar com todas as características de uma Taça de Portugal. Aliás, o primeiro Campeonato de Portugal foi constituído por um único jogo, o Porto - Sporting. Não era um Campeonato nem nada de parecido.
Outra coisa: entre 1934/35 e 1937/38, quando já existia Campeonato Nacional, o Campeonato de Portugal continuou a disputar-se. E como chamamos ao vencedor dessas edições? Vencedor da Taça de Portugal? Mas era a mesma prova.
Por outro lado, não havendo Campeonato Nacional até 1934/35, não me custa a aceitar que se considere Campeão Nacional o vencedor do Campeonato de Portugal.
Essa questão foi levantada pelo Sporting, que quer ficar com mais 2 títulos. Mas também contariam, nesse caso, mais 3 títulos de Campeão Nacional para o Belenenses, mais 2 para o Benfica e 1 para o Marítimo, Olhanense e Carcavelinhos.
Sinceramente, não tenho uma opinião completamente formada sobre o assunto.

A liga que existiu nessa altura era experimental, onde nem todas as equipas participavam e se rodava jogares como hoje se faz na taça da liga.

Este youtuber do Sporting explica melhor que eu:




Mike_Walsh

  • Visitante
Re: Taça intercontinental
13/Dez/17, 19:11
A liga que existiu nessa altura era experimental, onde nem todas as equipas participavam e se rodava jogares como hoje se faz na taça da liga.

Este youtuber do Sporting explica melhor que eu:


Nada disso é verdade.  Mentira total.
Rodar jogadores? Lol.  Tinham 14 jogos por ano,  precisavam mesmo de rodar jogadores.
A seguir aos 9-0 que Portugal levou da Espanha em Março de 1934,  foi opinião unânime que só um campeonato entre clubes podia resolver o atraso dos jogadores portugueses.
Assim nasceu o Campeonato Nacional de Futebol.  Chamou-se Liga por causa da influência inglesa, como - de resto - a FPF se chamava FPFA - Federação Portuguesa de Futebol Association.
Ao fim de 2 ou 3 meses,  já o Campeonato de Portugal era considerado "um aborto",  uma prova que nada interessava face a um Campeonato que movimentava em torno do futebol grande parte do país. Ao fim de 3 anos,  acabou,  tal foi o sucesso do Campeonato Nacional.
A Liga era composta por 8 clubes que jogavam todos entre si a 2  voltas.  O Campeonato Nacional era composto por 8 clubes que jogavam entre si a 2 voltas.  Na Liga,  ganhava quem tivesse o maior número de pontos.  No  Campeonato,  também.  Os clubes que participavam na Liga eram exactamente os mesmos que participavam no Campeonato Nacional.  Os jogadores eram exactamente os mesmos - vai ver as fichas de cada jogo.  Os regulamentos eram exactamente os mesmos.
Só mudou o nome quando se fez uma reestruturação de todo o futebol português -  a FPFA passou a chamar-se FPF e a Liga passou a chamar - se Campeonato  Nacional.  E foi criada a Taça de Portugal.
Liga e Campeonato Nacional eram exactamente a mesma prova,  tirando o nome (era Liga na altura como é Liga hoje).
Como portista,  entristece-me muito que até alguns portistas queiram diminuir o grande título de Campeão Nacional de 1934/1935, esse sim ganho contra tudo e contra todos.  FOMOS CAMPEÕES NACIONAIS!
Como historiador,  penso que seria de valor ler o que diz a História antes de ver o que diz um youtuber sportinguista.
 Já agora,  é digno de um verdadeiro contorcionista considerar Campeonato Nacional uma mera Taça de Portugal a eliminar e não considerar uma Liga a pontos e a 2 voltas e que só por mudança de nome se passou a chamar Campeonato Nacional.
O que mudou completamente de figurino foi a actual Liga dos Campeões,  incluindo a forma de acesso e a forma de disputa. Qualquer dia,  o youtuber sportinguista diz que não é a mesma prova. 
Nessa tua  contabilidade,  não te esqueças então de tirar da lista o nosso título de 1934/1935. Ficamos com um a menos.
« Última modificação: 13/Dez/17, 19:19 por Mike_Walsh »

Offline Dragão do Algarve

  • Arquibancada
  • *
  • Mensagens: 433
  • Desde: Mai 2017
Re: Taça intercontinental
17/Dez/17, 16:59
Nada disso é verdade.  Mentira total.
Rodar jogadores? Lol.  Tinham 14 jogos por ano,  precisavam mesmo de rodar jogadores.
A seguir aos 9-0 que Portugal levou da Espanha em Março de 1934,  foi opinião unânime que só um campeonato entre clubes podia resolver o atraso dos jogadores portugueses.
Assim nasceu o Campeonato Nacional de Futebol.  Chamou-se Liga por causa da influência inglesa, como - de resto - a FPF se chamava FPFA - Federação Portuguesa de Futebol Association.
Ao fim de 2 ou 3 meses,  já o Campeonato de Portugal era considerado "um aborto",  uma prova que nada interessava face a um Campeonato que movimentava em torno do futebol grande parte do país. Ao fim de 3 anos,  acabou,  tal foi o sucesso do Campeonato Nacional.
A Liga era composta por 8 clubes que jogavam todos entre si a 2  voltas.  O Campeonato Nacional era composto por 8 clubes que jogavam entre si a 2 voltas.  Na Liga,  ganhava quem tivesse o maior número de pontos.  No  Campeonato,  também.  Os clubes que participavam na Liga eram exactamente os mesmos que participavam no Campeonato Nacional.  Os jogadores eram exactamente os mesmos - vai ver as fichas de cada jogo.  Os regulamentos eram exactamente os mesmos.
Só mudou o nome quando se fez uma reestruturação de todo o futebol português -  a FPFA passou a chamar-se FPF e a Liga passou a chamar - se Campeonato  Nacional.  E foi criada a Taça de Portugal.
Liga e Campeonato Nacional eram exactamente a mesma prova,  tirando o nome (era Liga na altura como é Liga hoje).
Como portista,  entristece-me muito que até alguns portistas queiram diminuir o grande título de Campeão Nacional de 1934/1935, esse sim ganho contra tudo e contra todos.  FOMOS CAMPEÕES NACIONAIS!
Como historiador,  penso que seria de valor ler o que diz a História antes de ver o que diz um youtuber sportinguista.
 Já agora,  é digno de um verdadeiro contorcionista considerar Campeonato Nacional uma mera Taça de Portugal a eliminar e não considerar uma Liga a pontos e a 2 voltas e que só por mudança de nome se passou a chamar Campeonato Nacional.
O que mudou completamente de figurino foi a actual Liga dos Campeões,  incluindo a forma de acesso e a forma de disputa. Qualquer dia,  o youtuber sportinguista diz que não é a mesma prova. 
Nessa tua  contabilidade,  não te esqueças então de tirar da lista o nosso título de 1934/1935. Ficamos com um a menos.

Mas tu tiraste o curso de história desportiva onde? Não viste o video claro, o tal puto sportinguista farta-se de apresentar provas em como NÓS, FUTEBOL CLUBE DO PORTO, fomos campeões nacionais em 1922, 1925, 1932 e 1937! Títulos esses que foram completamente apagados da nossa história para dar 3 ligas experimentais aos lampioes e 1 liga experimental, como rebuçado por nos roubarem 3 campeonatos, a nós! Como é que tu achas que os atletas amadores dessa altura, que jogavam por amor à camisola, se sentiriam se soubessem que ao fim de quase 100 anos houvessem Portistas que não reconhecessem tais conquistas?! E se o teu problema é quereres continuar a dizer que ganhamos a primeira liga (experimental) em 1935, não fiques triste porque nós ganhamos sim o primeiro campeonato de Portugal em 1921! Esses sim os primeiros Campeões Nacionais de sempre!
« Última modificação: 18/Dez/17, 03:10 por Dragão do Algarve »

Offline André Farinha

  • Tribuna
  • ****
  • Mensagens: 4.816
  • Desde: Abr 2018
Re: Taça intercontinental
12/Dez/18, 16:08
Memórias de Yokohama




Online joaoalvercafcp

  • Tribuna Presidencial
  • *****
  • Mensagens: 21.082
  • Desde: Mar 2012
Re: Taça intercontinental
25/Dez/18, 04:05
https://www.fcporto.pt/pt

MEMÓRIAS FOTOGRÁFICAS DE TÓQUIO 87

Masahide Tomikoshi captou como poucos o espírito de um jogo inesquecível
13 de dezembro de 1987. Pouco mais de meio ano depois da histórica final de Viena, o FC Porto entra em campo no Estádio Nacional de Tóquio para tentar novo feito: era chegada a altura de disputar a Taça Intercontinental e decidir quem seria o campeão do mundo naquele ano. O adversário era o histórico uruguaio Peñarol. O cenário...inesquecível.

Um enorme nevão abateu-se sobre a capital japonesa e colocou em sérios riscos a realização da partida. O Peñarol, por exemplo, fez o possível para que não houvesse jogo e o FC Porto, através do Presidente Pinto da Costa, reagiu convictamente: se os uruguaios não queriam jogar, o FC Porto fazia questão que a bola rolasse mesmo.

E rolou. Pouco, porque as condições do terreno, claro está, não eram as melhores. Mas o jogo fez-se e o FC Porto, para mostrar determinação, entrou em campo de manga curta. O futebol teve de ser muito mais prático do que bonito. De qualquer forma, o resultado final foi aquele que todos sabem: 2-1, com golos de Gomes e Madjer, e, pela primeira vez, campeões do mundo.

Algures junto ao relvado nesse dia que ainda recentemente foi recordado por Fernando Gomes e Lima Pereira, os homens que levantaram as Taças, estava Masahide Tomikoshi. Um fotógrafo japonês que 30 anos depois colocou nas suas redes sociais fotos que mostram, como poucas, a magia inesquecível daquele jogo.

“Era um dia de muita neve em Tóquio. Nunca na minha vida tinha visto coisa assim, nunca tinha coberto um jogo de futebol com um tempo daqueles, com neve a cair incessantemente”, conta Tomikoshi ao Portal Oficial do FC Porto.

Admitindo conhecer pouco da equipa do FC Porto, ficou, contudo, conquistado. “Não conhecia nada, tenho de ser sincero, mas admirei a forma como se apresentaram. Jogaram um futebol muito bom e, sobretudo, inteligente naquelas condições”, recordou.

Durante o jogo, Masahide Tomikoshi praticamente não se moveu. “Não me conseguia mexer. Fiquei ali a tirar fotos o jogo todo. O FC Porto adaptou-se melhor à neve, mudaram o seu estilo de jogo e parecia que vinham de um país nórdico, habituados à neve”, continuou.

Tomikoshi cobriu várias finais da Taça Intercontinental no Japão, além do Mundial 2002. Não esteve em Yokohama, em 2004, para ver o FC Porto sagrar-se campeão do mundo pela segunda vez, mas não esqueceu o clube e aquela final.

Das fotos que tirou, tem uma preferida: “A do guarda-redes a agarrar a bola praticamente deitado na neve”. Não se recorda no nome, mas referia-se a Mlynarczkyk, o polaco guardião das redes portistas nas primeiras conquistas internacionais.

A galeria disponibilizada por Masahide Tomikoshi ao FC Porto tem imagens incríveis. Recorde um jogo inesquecível pela lente do japonês que não mais esqueceu o clube do dragão.