Futebol

O comunicado do SC Braga que explica como funciona o futebol em Portugal

2019-08-12

Redação Portal dos Dragðes

O SC Braga lançou hoje um comunicado ontem faz um resumo de como funciona o mercado de transferências em Porugal. Leiam com atenção...

A SC Braga, SAD informa, para conclusão de um processo que ganhou dimensão pública ao longo das últimas semanas, que desistiu da contratação do jogador Guilherme Schettine, não obstante a vontade do atleta em transferir-se para o SC Braga – conforme revelado à Comunicação Social pelo próprio – e o cumprimento, por parte desta Sociedade, das condições impostas pelo CD Santa Clara para a transferência do avançado brasileiro.

A conjugação destes factos torna este desfecho absolutamente inusitado, razão pela qual o SC Braga se reserva o dever de denúncia das situações verificadas ao longo deste processo e que, de resto, se têm revelado recorrentes no futebol português, repetindo-se protagonistas num enredo que denuncia quem detém o poder e quem a ele se deixa subjugar.

No que a factos diz respeito, importa reter a seguinte cronologia:

* Em inícios de maio deste ano, o SC Braga manifestou interesse no jogador Guilherme Schettine, tendo procurado informar-se das condições para a sua contratação, através de um empresário que representou esta Sociedade nos contactos com o CD Santa Clara. O SC Braga foi informado que a SAD açoriana aceitaria negociações pelo valor de três milhões de euros, omitindo que a cláusula de rescisão é de dois milhões. Perante tal valorização, o SC Braga não concretizou o seu interesse e afastou-se de qualquer negociação;

* Após o fecho do campeonato, o SC Braga tomou conhecimento de que o CD Santa Clara negociava o jogador com o SL Benfica por 1,5 milhões de euros. O avançado permaneceria, porém, no plantel do CD Santa Clara;

* A 29 de julho, o SC Braga foi informado pelos representantes do jogador que Guilherme Schettine rejeitava a transferência para o SL Benfica, por entender que desportivamente não era a opção que melhor servia as suas ambições imediatas. Nesse cenário, o SC Braga reiterou o seu interesse, após saber pelos empresários de Schettine que havia o compromisso por parte do CD Santa Clara de negociar o avançado pelos mesmos valores discutidos com o SL Benfica;

* A 31 de julho, os empresários de Schettine contactaram o Administrador do CD Santa Clara, Diogo Boa Alma, confirmando quais as condições impostas para a negociação, independentemente do clube que apresentasse a proposta. Foi informado pelo Administrador Diogo Boa Alma que seria aceite qualquer proposta de 1,5 milhões de euros. Há registos áudio e um email que comprovam esta tomada de posição por parte do CD Santa Clara;

* Informado das condições, o SC Braga concordou com as mesmas e, nesse mesmo dia, formalizou uma proposta que satisfazia as pretensões do CD Santa Clara. Tal proposta, enviada de forma oficial, não obteve qualquer resposta;

* A 1 de agosto, o CD Santa Clara contactou o jogador e os seus representantes para a marcação de uma reunião, no dia seguinte, em Lisboa, com os responsáveis do SL Benfica. Guilherme Schettine e os seus empresários recusaram reunir;

* Perante a ausência de resposta do CD Santa Clara à proposta apresentada pelo SC Braga, o Presidente António Salvador contactou diretamente o Administrador Diogo Boa Alma, que afirmou que não negociaria com o SC Braga por ter um compromisso pessoal para colocar o jogador no SL Benfica e por temer represálias, remetendo para a cláusula de rescisão e assim faltando à palavra dada aos representantes do jogador;

* A 2 de agosto, e apresentando-se como representante dos interesses do SL Benfica, José Luís Gonçalves (ex-diretor de futebol do CD Aves) entrou em contacto com o empresário do jogador, Javier Rangel, pedindo uma reunião com o presidente do SL Benfica e garantindo que tanto Guilherme Schettine como o seu agente seriam “bem recompensados”. Tal abordagem pode ser facilmente comprovável;

* Perante o impasse existente, por força da vontade expressa do jogador e da intransigência do CD Santa Clara, o SC Braga não pode prolongar a espera pelo desfecho da operação.

Este longo episódio, aqui denunciado, não é caso único, mas antes a demonstração de uma realidade profundamente entranhada: o futebol português transformou-se num teatro de marionetas.

Sociedades que deviam competir num plano de igualdade resignam-se a uma lógica vertical de influências, na qual “manda quem pode e obedece quem tem juízo” e onde se multiplicam operações que escapam à lógica desportiva, se inflacionam de forma especulativa os valores do mercado e se impede que outros clubes possam reforçar-se.

A fachada do futebol de um País que tem uma Federação tão pujante e uma Liga que se apresenta cada vez mais sustentável esconde a pobreza de um edifício de campeonatos profissionais onde competem clubes tão dependentes de uma mão que as alimente política e financeiramente e tão permeáveis a influências externas, não pela sua falta de grandeza institucional, mas pela pequenez de alguns dos seus dirigentes.

No futebol português, de boas almas está o inferno cheio!

Últimas

Últimas mensagens no Fórum

Época 2019: W52 FC Porto por Pedrix77
Hoje às 08:41 pm

6ªJ [16-19/Ago] por Bitinhuh
Hoje às 08:30 pm

29º Tour of Denmark (2.HC) por jpgm97
Hoje às 08:00 pm

Óliver Torres por Ripas
Hoje às 07:45 pm

52º Tour du Limousin (2.1) por Pedrix77
Hoje às 07:27 pm

Espanha - La Liga - 2019/20 por dragon55
Hoje às 07:15 pm