António Feliciano

H

hast

Guest
Natural da Covilh㠖 19 de Janeiro de 1922
Numa casita modesta da Rua do Outeiro, na cidade da Covilhã, lá em cima, junto dos picos da serra da Estrela, nasceu António Feliciano. O pai era tintureiro de fazendas e a mãe tecedeira. Órfão ficou aos seis anos. A mãe, com quatro filhos para criar, conseguiu que António entrasse na Casa Pia. O futebol era o seu fascínio, a única paixão da sua vida. Aos 17 anos inscreveram-no, oficialmente, no Casa Pia Atlético Clube. Davam-lhe o dinheiro para os eléctricos, mas mesmo que os jogos fossem nas Amoreiras ou no Campo Grande ia a pé, para ficar com os 16 ou 24 tostões para a borga. Começou por ser médio-esquerdo, mas depressa se fixou como defesa. O seu primeiro treinador foi o jornalista Ricardo Ornelas, que nem sequer imaginava que, por vezes, Feliciano jogava clandestinamente no... Hotel Borges. Eram renhidos os jogos entre hotéis de Lisboa, os mais argutos iam à Casa Pia aliciar os jovens que começavam a despontar, oferecendo-lhes, em caso de vitória nos campeonatos, prémios de 20 escudos ou... cinco maços de Paris. Era um luxo. «Quando regressava a Belém era um rei.»
Depressa passou para a equipa de honra do Casa Pia. Deu nas vistas e o Benfica interessou-se. Nessa altura já jogava como terceiro-defesa. E foi num jogo com o Benfica, para a Taça de Portugal, nas Salésias, que o seu destino ficou marcado. Alejandro Scopelli assistiu à partida e ficou deslumbrado com o defesa-central. Era o homem que procurava para substituir Tarrio. Mas, através de Miguel Siska, do Porto, outro canto de sereia. «Cheguei a estar hospedado na Pensão Alegria uns 15 dias. Mas senti-me deslocado, muito pequenino ao pé de jogadores como Carlos Pereira, Pinga, Guilhar, Pocas, Novas e, por isso, sem dar cavaco, meti-me no comboio e voltei para Lisboa.»
Como Scopelli lhe tinha dito que aparecesse pelas Salésias, foi. Os gansos tinham uma dívida de gratidão a pagar aos homens da Cruz de Cristo: quando, para a Exposição do Mundo Português, o seu campo do Restelo foi destruído por ordem governamental, o Belenenses colocou-lhes as Salésias à disposição. Por isso, para libertarem Feliciano pediram... três contos. Assinou-se o acordo a uma mesa da Brasileira do Chiado, ficando Feliciano com a garantia de um ordenado mensal de 300 escudos. «Nos meus primeiros tempos no Belenenses arranjaram-me um emprego no Grémio dos Armazenistas de Mercearia. O emprego trouxe-me um pequeno problema: eu não tinha um fato para vestir e não podia, como é evidente, ir para o Grémio fardado com o uniforme da Casa Pia. Valeu-me na emergência Francisco Silva [director do Grémio e do... Sporting]. Ofereceu-me um casaco, uma camisa e uma gravata. Estava salva a situação. Com as calças do fardamento, o enxoval ficou completo»...
O seu primeiro treinador no Belenenses foi Artur José Pereira, que, apercebendo-se de que Feliciano só chutava com o pé esquerdo, o obrigava a jogar apenas com uma bota calçada. Estreou-se contra a Cuf, com uma vitória por 6-0, numa partida histórica em que Horácio Tellechea marcou os seis golos da equipa e, em 1943/44, alcançou o seu título: campeão de Lisboa. Dois anos depois, com o seu célebre oitavo exército, o Belenenses sagrava-se campeão nacional. Era o tempo das Torres de Belém. Vasco, Feliciano e Serafim.
Depois do título foi passar férias à Corunha. Conheceu o mítico Zamora. Que já lhe conhecia a fama. E quis levá-lo para o seu clube. O Celta de Vigo ofereceu 200 contos ao Belenenses pela sua libertação. E mais 200 a Feliciano para assinar contrato... Ganhava 800 escudos por mês. Por amor ao Belenenses não aceitou o convite. Não lhe aumentaram o ordenado, mas deram-lhe, como que por gratidão, cinco contos de luvas!!! Ainda esteve, pouco depois, a caminho do Brasil. Do Vasco da Gama. Mas voltou a não ter coragem de se lançar ao desafio.

«Porque é que o gajo não morreu mesmo?...»

Por essa altura, uma das cenas mais incríveis da sua vida. Por Belém correu o rumor de que tinha sido... assassinado. Assassinado fora, de facto, outro desportista, António Feliciano como ele. Foi José Maria Pedroto quem lhe deu a notícia da sua... morte. Feliciano explorava o bar da delegação do Belenenses na Avenida da Liberdade, onde os jogadores almoçavam ao domingo, antes dos jogos. Foi para o jogo. Contra o Estoril. Já toda a gente em Belém sabia que fora boato. Mesmo assim, quando pisou o relvado das Salésias estrugiram as palmas. O Belenenses ganhava ao Estoril por 1-0. Feliciano tentou fazer um rodriguinho, perdeu a bola para Bravo, o primeiro português a transferir-se para Espanha, que marcou o golo do empate. «Os sócios da superior desataram aos berros e eu ouvi, distintamente, os fulanos dizerem: porque é que este gajo não morreu mesmo?»

A santa e o beijo da francesa
Quando se estreou na Selecção, o que mais estranhou foi ver os jogadores mais cotados, os ídolos com quem poderia, enfim, privar como par entre pares, a dizerem, amiúde, que estava na hora de irem lavar os dentes. Era a senha secreta para fugirem ao controlo do seleccionador e irem jogar cartas pela noite dentro. Foi na Corunha que fez o seu debute com a camisola das quinas. «Fomos num autocarro especial, como a deslocação maçava e podia dar lugar ao adormecimento dos músculos, apeávamo-nos de vez em quando e fazíamos um pouco de footing com sprints intervalados, à borda da estrada.» Nesse jogo competir-lhe-ia marcar Zarra. Um monstro. Peyroteo casara havia pouco tempo. Tivera permissão para levar a mulher com ele. Em jeito de... lua-de-mel. Pouco antes do jogo a senhora abeirou-se de Feliciano e deu-lhe uma santinha. Para que tivesse sorte. «Fiquei comovido. E nunca mais me separei da santinha. Joguei com ela na algibeira do calção. Saí-me tão bem que o dr. Tavares da Silva se agarrou a mim a chorar.» A santa jamais largaria. Ficou sua mascote.
Não muito depois, na vitória de Portugal sobre a França, por 2-1, foi considerado o melhor defesa da Europa e nunca mais se esqueceu da jornalista francesa que lhe pregou um quente beijo como sinal de admiração!

Burilador Títulos
Em 1949 tinha Feliciano 32 anos. Não caíra nas boas graças de Fernando Riera e como se se sentisse peça de armazém, que era o que não queria ser, jogador mimado e hipersensível, abandonou o Belenenses. Foi para o Marinhense como jogador-treinador, subiu o clube dos Distritais à II Divisão, passou pelo Beja, pelo Chaves, pelo Famalicão e pelo Riopele. Em 1965 mudou de rota. Casara com uma espanhola de Orense, passava férias em Portimão. Recebeu uma chamada numa... praça de táxis. Era Afonso Pinto de Magalhães, presidente do F. C. Porto, a convidá-lo para treinador das camadas jovens da equipa. Aceitou de imediato. Construiu gerações de ouro, a escola Feliciano: Fernando Gomes, João Pinto, Jaime Magalhães, Zé Beto, Rui Filipe, Domingos, Vítor Baía... No F. C. Porto subiria a treinador principal, em 1971/72, substituindo o brasileiro Paulo Amaral. E dois anos depois desceria a adjunto de Riera, o homem que o arrumara no Belenenses. Não muito depois voltou a ser o que mais prazer lhe dava: burilador de diamantes...
 

Kelvin87

Tribuna Presidencial
7 Maio 2007
21,873
246
Masi um treinador que fica na história do GRANDE PORTO, não saboa que uma das torres do restelo tinha trabalhado no Porto.
 
H

hast

Guest
António Feliciano, referência histórica da formação do FC Porto, morreu ontem, aos 88 anos, em Maceda, na Galiza, onde residia.

Que em paz descanse.
 
B

Bonfim 84

Guest
Tópico justo para um dos mitos do nosso clube e do futebol nacional.

Bem haja ao sr. Feliciano, descanse em paz.
 
L

LuisC

Guest
> FrancisMartin Comentou:

> Paz à sua alma, condolências à família e amigos.
___________

Faço minhas as tuas palavras.
 
M

Mokiev

Guest
> hast Comentou:

> António Feliciano, referência histórica da formação do FC Porto, morreu ontem, aos 88 anos, em Maceda, na Galiza, onde residia.

Que em paz descanse.

------

Ele residia na travessa da maceda, sao roque da lameira, campanha, à mtos mtos anos...que historia e essa de espanha?????
 
M

Mokiev

Guest
Deve ter sido a unica pessoa que acreditou que eu podia dar em jogador da bola :), um detetor de talentos que comigo se enganou literalmente, a excepção que confirmou a regra :)
 

Drago

Tribuna Presidencial
21 Julho 2006
11,268
425
Lisboa, 1979
A minha homenagem a um FORMADOR do FC Porto. A um homem que mostrou o caminho a trilhar na formação.


Paz à sua alma!
 

fred-fcp19

Bancada central
14 Julho 2009
1,773
0
Ermesinde
Corpo de Feliciano cremado na Galiza
Por Pedro Cadima

O corpo de António Feliciano, falecido aos 89 anos, em Maceda, foi ontem cremado em Ourense, na Galiza.

As exéquias fúnebres destinaram-se a familiares mais chegados, particularmente esposa e filha.

O antigo defesa-central do Belenenses, pelo qual foi campeão nacional em 1945/46, e técnico de relevo durante vários anos na formação do FC Porto, pediu para que as suas cinzas fossem espalhadas no campo da Constituição, no Porto.

Esse será, então, o momento para que todos os amigos feitos no futebol, possam prestar a sua sentida despedida e homenagem a alguém que deixou uma marca indiscutível de seriedade, profissionalismo e disciplina.


abolha

_______________________

cinzas vao ser espalhadas no campo da constituiçao a seu pedido.


Grande homem
 
M

Mokiev

Guest
parte da historia da nossa formação parte...agora é dar valor a muitos que ainda ca andam e alguns andam distantes...
 
M

Mokiev

Guest
> fred-fcp19 Comentou:

_______________________

cinzas vao ser espalhadas no campo da constituiçao a seu pedido.


Grande homem

---------

Na minha juventude e de muitos como eu , constituição era muito ele, estava sempre por lá.
 

madjer87

Tribuna Presidencial
18 Julho 2006
11,817
0
51
Porto
> Velasquez Comentou:

> As cinzas espalhadas pelo campo. Nem sei que dizer...
------------------------------
Nem eu.Brutal

Grande Feliciano.Grande formador de homens.

Estará sempre na nossa memória.
 
M

Mokiev

Guest
> Velasquez Comentou:

> As cinzas espalhadas pelo campo. Nem sei que dizer...

--------
Há pessoas que até depois de mortas conseguem nos mostrar o que é amor, o que é dedicação a uma causa a uma instituição e agradecimento, Porto dos pequenos era ele e ele era o Porto dos miúdos, este gesto cala-nos e cai-nos bem fundo. Um Mestre.