Política nacional

grandeporto

Tribuna Presidencial
25 Agosto 2006
20,407
645
Gaia
Eu sigo o Quadros e ele queixa-se que foi afastado da crónica do JN e da revista.
O Quadros tem aquela dose de loucura que irrita o regime e o regime neste momento é o benfique e o governo do Costa.

É um bocado tolo mas sabe das coisas, e vai debitando as verdades que nem o Costa nem o vieira gosta. Um dos que levava forte era o JPR.
 

sirmister

Tribuna Presidencial
21 Março 2008
44,032
1,226
Conquistas
1
  • Abril/19
Equipa de Ana Leal entrega mais conversas sobre alegado travão de diretor às investigações


Depois de um jornalista ter dito que não podia tirar uma declaração do Governo, que seria desmentida pela peça, diretor terá dito: “Então não há reportagem”.


O mal-estar na redação da TVI está a aumentar a cada dia que passa. A equipa de jornalistas liderada por Ana Leal entregou ao conselho de redação, nas últimas horas, mais uma troca de mensagens entre um dos repórteres e o diretor de informação para tentar demonstrar que Sérgio Figueiredo travara a saída de reportagens incómodas para o Governo.

“Sérgio, depois da nossa conversa, de muito refletir e de ter revisto a peça mais do que uma vez, não consigo encontrar forma de cortar. Ontem fiz as alterações que me pediste, no entanto, não consigo retirar partes relativas à ação do governo. Estou a ser confrontado pela primeira vez na vida com uma decisão destas e, como te disse, tenho a humildade de ouvir, refletir e assimilar todas as formas de pensar sobre jornalismo e sobre os tempos que vivemos. Longe de mim querer transformar isto num debate ou numa lição sobre jornalismo, estou cá para aprender e certamente que estes dias foram, são e serão ainda mais uma lição para mim. Estou entre a espada e a parede”, escreveu por email o jornalista André Ramos na tarde de 26 de março, acrescentando: “Foram feitas declarações inequívocas, em on, pelo governo, que toda a gente estava a ser testada. Não é verdade. Retirar essa parte da reportagem não me deixa confortável. Os telefonemas por si mostram o que está a acontecer – e, sendo contrário ao que diz o governo, deve ser exposto”.

A terminar, o jornalista diz que espera que a conversa fique entre os dois e conclui que “por imperativo de consciência não [consegue] mudar mais a reportagem”.

A resposta que terá recebido do diretor – esse email foi também enviado agora ao conselho de redação – foi muito curta: “Então não há reportagem. Vês como é fácil. Fica bem com a tua consciência, tal como eu fico com a minha decisão”. Sérgio Figueiredo terá ainda rematado dando a entender que o jornalista estaria fora da equipa, passando a integrar a redação: “Espero que amanhã combines com o Vasco Rosendo [chefe de redação] a escala quinzenal que ele te destina”.

Recorde-se que na altura, a 26 de março, referindo-se a esta reportagem, Ana Leal desabafou na sua página de Facebook que era alheia à sua não publicação, ainda que sem revelar as razões: “Perante as muitas perguntas que têm sido colocadas por seguidores da página do Programa Ana Leal desde ontem à noite, dizer que não é da minha responsabilidade a não emissão da reportagem que estava anunciada”. E o i sabe que o post publicado na página de Facebook do programa relativo ao trabalho foi apagado sem o conhecimento dos repórteres.

Tal como o i avançou esta semana, com base em documentação a que teve acesso, a equipa de jornalistas coordenada por Ana Leal acusa a direção de informação da TVI de censurar peças jornalísticas incómodas para o poder político e para as autoridades de saúde. O programa foi suspenso no dia 10 de março e a equipa, constituída pela jornalista e outros três repórteres, foi dissolvida 16 dias depois.

Ao conselho de deontologia do Sindicato dos Jornalistas e, mais tarde, ao conselho de redação da TVI foram mesmo detalhadas por estes jornalistas diversas investigações que a direção de informação da estação de Queluz de Baixo terá travado. A maioria está relacionada com a covid-19, mas há ainda a descrição de uma investigação que envolvia o atual Governo angolano que nunca viu a luz do dia.

Questionada na segunda-feira pelo i, Ana Leal disse não comentar o fim do programa nem os motivos. Postura idêntica teve Sérgio Figueiredo. Contactado ontem novamente sobre esta mais recente denúncia, o diretor de informação da TVI não enviou qualquer resposta até à hora de fecho desta edição.

Recorde-se que na terça feira, após a primeira notícia do i, vários editores e outras chefias da redação da TVI fizeram um abaixo-assinado em defesa da direção de informação, liderada por Sérgio Figueiredo. O texto foi assinado por cerca de duas dezenas de profissionais e rejeita aquilo a que chamaram uma “campanha de desinformação”.

“Nunca os editores da TVI se sentiram limitados ou censurados pela direção de informação, nem tolerariam a prática de qualquer tipo de censura na redação”, garantiam.

Apesar dos novos elementos tornados públicos, esta semana, o conselho deontológico do Sindicato dos Jornalistas remeteu todos os esclarecimentos para um parecer de 9 de abril, no qual concluía que, apesar de o jornalismo não estar de quarentena, circunstâncias especiais poderiam levar a decisões editoriais especiais.

 
  • Like
Reações: slowboy

andrito

Bancada central
4 Março 2015
2,152
75
57
Equipa de Ana Leal entrega mais conversas sobre alegado travão de diretor às investigações


Depois de um jornalista ter dito que não podia tirar uma declaração do Governo, que seria desmentida pela peça, diretor terá dito: “Então não há reportagem”.


O mal-estar na redação da TVI está a aumentar a cada dia que passa. A equipa de jornalistas liderada por Ana Leal entregou ao conselho de redação, nas últimas horas, mais uma troca de mensagens entre um dos repórteres e o diretor de informação para tentar demonstrar que Sérgio Figueiredo travara a saída de reportagens incómodas para o Governo.

“Sérgio, depois da nossa conversa, de muito refletir e de ter revisto a peça mais do que uma vez, não consigo encontrar forma de cortar. Ontem fiz as alterações que me pediste, no entanto, não consigo retirar partes relativas à ação do governo. Estou a ser confrontado pela primeira vez na vida com uma decisão destas e, como te disse, tenho a humildade de ouvir, refletir e assimilar todas as formas de pensar sobre jornalismo e sobre os tempos que vivemos. Longe de mim querer transformar isto num debate ou numa lição sobre jornalismo, estou cá para aprender e certamente que estes dias foram, são e serão ainda mais uma lição para mim. Estou entre a espada e a parede”, escreveu por email o jornalista André Ramos na tarde de 26 de março, acrescentando: “Foram feitas declarações inequívocas, em on, pelo governo, que toda a gente estava a ser testada. Não é verdade. Retirar essa parte da reportagem não me deixa confortável. Os telefonemas por si mostram o que está a acontecer – e, sendo contrário ao que diz o governo, deve ser exposto”.

A terminar, o jornalista diz que espera que a conversa fique entre os dois e conclui que “por imperativo de consciência não [consegue] mudar mais a reportagem”.

A resposta que terá recebido do diretor – esse email foi também enviado agora ao conselho de redação – foi muito curta: “Então não há reportagem. Vês como é fácil. Fica bem com a tua consciência, tal como eu fico com a minha decisão”. Sérgio Figueiredo terá ainda rematado dando a entender que o jornalista estaria fora da equipa, passando a integrar a redação: “Espero que amanhã combines com o Vasco Rosendo [chefe de redação] a escala quinzenal que ele te destina”.

Recorde-se que na altura, a 26 de março, referindo-se a esta reportagem, Ana Leal desabafou na sua página de Facebook que era alheia à sua não publicação, ainda que sem revelar as razões: “Perante as muitas perguntas que têm sido colocadas por seguidores da página do Programa Ana Leal desde ontem à noite, dizer que não é da minha responsabilidade a não emissão da reportagem que estava anunciada”. E o i sabe que o post publicado na página de Facebook do programa relativo ao trabalho foi apagado sem o conhecimento dos repórteres.

Tal como o i avançou esta semana, com base em documentação a que teve acesso, a equipa de jornalistas coordenada por Ana Leal acusa a direção de informação da TVI de censurar peças jornalísticas incómodas para o poder político e para as autoridades de saúde. O programa foi suspenso no dia 10 de março e a equipa, constituída pela jornalista e outros três repórteres, foi dissolvida 16 dias depois.

Ao conselho de deontologia do Sindicato dos Jornalistas e, mais tarde, ao conselho de redação da TVI foram mesmo detalhadas por estes jornalistas diversas investigações que a direção de informação da estação de Queluz de Baixo terá travado. A maioria está relacionada com a covid-19, mas há ainda a descrição de uma investigação que envolvia o atual Governo angolano que nunca viu a luz do dia.

Questionada na segunda-feira pelo i, Ana Leal disse não comentar o fim do programa nem os motivos. Postura idêntica teve Sérgio Figueiredo. Contactado ontem novamente sobre esta mais recente denúncia, o diretor de informação da TVI não enviou qualquer resposta até à hora de fecho desta edição.

Recorde-se que na terça feira, após a primeira notícia do i, vários editores e outras chefias da redação da TVI fizeram um abaixo-assinado em defesa da direção de informação, liderada por Sérgio Figueiredo. O texto foi assinado por cerca de duas dezenas de profissionais e rejeita aquilo a que chamaram uma “campanha de desinformação”.

“Nunca os editores da TVI se sentiram limitados ou censurados pela direção de informação, nem tolerariam a prática de qualquer tipo de censura na redação”, garantiam.

Apesar dos novos elementos tornados públicos, esta semana, o conselho deontológico do Sindicato dos Jornalistas remeteu todos os esclarecimentos para um parecer de 9 de abril, no qual concluía que, apesar de o jornalismo não estar de quarentena, circunstâncias especiais poderiam levar a decisões editoriais especiais.


muito esclarecedor, mas para muitos o importante "é/era" o "desfile" de cravos na lapela do casaco, afinal o cravo está murchando e ninguém parece se incomodar a não ser claro, os que são "tolhidos dos seus pensamentos e acções".
 

draco07

Arquibancada
11 Agosto 2017
360
70
Então o Ronaldo das finanças já fugiu com o rabo à seringa com medo de perder o único tacho que lhe resto (Banco de Portugal)?.
 

Maximus

Bancada central
8 Agosto 2016
1,895
548
Invicta
Não me parece de todo que esta saída do Mário Centeno e de alguns elementos da sua equipa (pelo menos os principais ...) seja feita na melhor altura, de todo. No entanto já era algo mais do que anunciado e se o próprio Governo não se precaveu para tal, não foi certamente por falta de aviso ou de tempo.

Desconheço de todo o seu sucessor, mas espero que não seja um "corte radical" nas politicas tomas pelo antecessor que quer queiramos quer não, levaram o pais a apresentar muito bons números (alguns surpreendentes ...) antes mesmo do aparecimento do Covid-19. Para além disso, a posição do Governo deverá manter-se independentemente do "valor" que entrar via UE e deverá ser investido naquilo que é realmente importante e não gasto à Português ...
 

Eclipsisboy

Tribuna Presidencial
25 Maio 2014
8,666
928
37
Porto
O Dragão D'Ouro que gosta de fazer figuras tristes nas redes sociais quer que o Rui Rio chegue a PM e acha que a melhor forma do Rio conseguir chegar la é chamando os pt de racistas. :love:

Sim, porque o que aconteceu em Guimarães com o Marega, noutros estádios com outros jogadores, etc, das duas uma, ou foi tudo numa realidade alternativa, ou todos aqueles indivíduos deviam ser espanhóis, franceses, chineses, ou algo do género.
 

Devenish

Tribuna Presidencial
11 Outubro 2006
15,404
187
Conquistas
1
66
Porto
  • Março/19
Neste particular o Rui Rio continua "confinado" à rua de Barbosa du Bocage (onde morou a vida quase toda) ligada à minha, à zona do Bom Sucesso, Júlio Dinis e algumas outras na zona onde realmente nunca ví racismo e embora a "minha e zona" dele" sejam uma zona densamente povoada (ou foi porque agora é menos) não pode afirmar que não há racismo na sociedade portuguesa - ela existe, sempre existiu e nestes tempos de internet e redes sociais o monstro é alimentado quer pelos anti ou pró.
 

draco07

Arquibancada
11 Agosto 2017
360
70
Houve racismo, há racismo e vai sempre haver. Porque em 11 milhões de pessoas vai haver sempre idiotas. A questão que tem de se pôr é como lidar com esse racismo e como punir os racistas do nosso país. Porque se é verdade que há racismo no nosso país (como há em todos os outros países, também é verdade que isso por si só não faz de Portugal um país racista. Não podem pagar todos por uma minoria.
 

miguelmv5

Bancada central
11 Abril 2016
2,276
1,040
Neste particular o Rui Rio continua "confinado" à rua de Barbosa du Bocage (onde morou a vida quase toda) ligada à minha, à zona do Bom Sucesso, Júlio Dinis e algumas outras na zona onde realmente nunca ví racismo e embora a "minha e zona" dele" sejam uma zona densamente povoada (ou foi porque agora é menos) não pode afirmar que não há racismo na sociedade portuguesa - ela existe, sempre existiu e nestes tempos de internet e redes sociais o monstro é alimentado quer pelos anti ou pró.
Afirmar que não há racismo na sociedade portuguesa, das duas uma, ou é desconhecimento ou é populismo. E nenhuma das opções é boa para quem quer ser o futuro primeiro-ministro
 
  • Like
Reações: Rui TSM